quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Sexo com Cabelo: Sobre patetices

 

casal-na-cama

E aí que você está lá na cama – no sofá, no tapete, na ardósia – com o gato, mão naquilo, aquilo na mão, beijinhos, abracinhos e as coisas só vão esquentando. E quando você menos espera o safadinho coloca o braço em cima do seu cabelo e você fica meio presa.  Aí  puxa dali, despista e se esquiva daqui e vai tentando lidar com o fato de ele não saber lidar com o seu cabelo comprido.

Quando é uma vez lá e outra cá que isso ocorre é até fácil de administrar e pode acontecer também da mocinha gostar da dorzinha do cabelo preso para chegar até o famigerado gemido transcendental [Vide: gozo]. Mas o problema é quando o broto empolga e segura você pelos cabelos do mesmo jeito que aquela sua colega do primário fazia quando estava com raiva de você, sabe?

2007112704510814

“Puta que pariu, camarada!! Ajuda aí, né!!”

Não sei como é para todas as mulheres, mas sei que algumas dão uma broxada quando sentem algum tipo de dor [não proposital] durante o sexo. Eu digo e repito, pegar com firmeza, segurar com vontade não é arrancar o pedaço. Por God!

E aí você sente o puxão e o sexo até vira um tipo de “direto do túnel do tempo”, porque você volta lá na sua infância e lembra daquele garotinho que era louco com você, mas você não dava bola e ele sempre que podia puxava seu cabelo.

Que merda, heim….images

Antes de escrever esse post eu fiquei cá comigo pensando em uma estratégia para solucionar a foda com o cabelo. E alguns vão dizer: “Nossa, como ela é burra, dá zero pra ela! É só amarrar, né?”

Nã-nã-ni-nã-não, filhota!!

Você amarra e faz um belo rabo de cavalo e o cara vê aquele cabelo todo unido e acha que é um cabresto, aí você já viu.

23-258x300Daí que eu pensei na possibilidade de fazer um belo coque com o cabelo trançado e segurar o coque com um elástico, já que grampos numa hora dessas não iria ser nada legal.

Mas como alguém pode conseguir trepar com o cabelo arrumado??

Como alguém pode parar segundos antes da foda e dizer: “Peraí, beiimmm, vou ali arrumar o cabelo!”?

E fica uma lacuna enorme e estarrecedora a ser resolvida. Seria então o caso de cortar o cabelo bem curto?

Mas e a vontade de cultivar as madeixas, como fica?

Escolha difícil essa, uma trepada sem incomodos ou um cabelo comprido e sedoso?

E o pior é que eu não vejo a possibilidade de sugerir que se converse com o gato sobre isso, tipo: “ow, lindo, quando a gente estiver trepando toma cuidado com meu cabelo!”, porque é até sacanagem o cara ficar se policiando demais durante o tal ato.

Enfim…

Há de se conviver com as broxantes puxadas involuntárias de cabelo, isto é, patetices básicas que ocorrem durante o sexo.

 

See u!

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Ahnn?? É comigo?–Sobre a arte de ignorar.

 

Blasé

- É comigo meeea felha??

Pode ser irritante para quem está ouvindo isso, mas com certeza é deliciante para quem diz com um ar e malemolência de quem está ignorando qualquer sujeitinho do tipo “não fede e nem cheira”, tem coisa pior do que ser o tipo “não fede e nem cheira”?

Sabe quando você ignora, quando você realmente aparenta ser frio o suficiente para não se abalar com aquela famigerada sentada no formigueiro – levanta e continua com cara de “nem sinto as formigas beliscando meu pôpô” –, pois bem, é sobre isso que falo. O importante, queridos, é conseguir manter a compostura, estar diante de uma pessoa que não é nada para você, pois você não a conhece o suficiente para se importar e nem está disposta a conhecer. Enfim… Lá vem a arte de ignorar e quando necessário fazer aquela famosa carinha blasé. Cara blasé não é cara de sonsa, é um misto de voz de tia cachaceira com olhar de maconheira… Do tipo “meeeeea feeelha, e eu com isso?”

Cutucaram você e perguntaram sobre algo que você nem prestou atenção que aconteceu. Ignore.

Aquela pessoa chata para caralho veio com um blá blá blá argumentativo que não leva a nada. Ignore.o-que-fazer-quando-seu-ficante-passa-a-te-ignorar

Ele acha que lhe conhece e vive afirmando que sabe o que você está pensando, mas não sabe porra nenhuma. Ignore.

As pessoas não sabem lidar com o ser ignorado, quando elas são ignoradas elas fantasiam em suas mentes que você confirmou algo. Sabe aquele famoso “quem cala consente”. Na minha concepção essa frase foi inventada por alguém que não gostou de ser ignorado e resolveu fazer da sua informação uma verdade através do silêncio do outro.

Agora se você se importa com o outro achar que você desistiu ou concordou com ele e não quis dar o braço a torcer, você não serve para a arte de ignorar. A arte de ignorar é como a arte de se tornar uma gueixa. Há de se respeitar o ignorar. Há de se confiar em si e não se importar com o que dizem que têm certeza que você acha. Há de ter certezas sobre suas próprias opiniões. Há de saber que se alguém vier lhe cobrar palavras quando na verdade você estava em silêncio você poderá apenas dizer “mas eu não disse isso, disse?”.

A mente da gente é o único lugar que só nós mesmos podemos frequentar e não é saudável permitir que alguém espie lá dentro. Por isso, muitas e muitas vezes, eu considero que é muito mais saudável aplicar a arte de ignorar.

See u!!