domingo, 18 de março de 2012

A Medida do Abraço: Burocratizando o afeto.

 

Sentir falta de abraço é um sinal neon forte luminoso em noite de lua nova – bem escura – de que há uma generosa gota de blue pintando sua bacia de água límpida. E aí alguém pode dizer: – Gente, mas é tão simples um abraço, a gente pode abraçar até a caixa do supermercado.

E eu vou dizer: – MENTIRA!

A caixa do supermercado pode passar seus braços pelo seu tronco e vc pode passar seus braços pelo tronco dela, daí uma trazer o corpo da outra para mais perto. No entanto, isso é técnica, a técnica do abraço. Abraço, abraço mesmo a gente sabe que pode demorar nele, que pode encostar o rosto no rosto do outro e que se brotar a vontade de um beijo, basta virar um pouquinho o rosto que já tá demasiado junto e estalar uma beijoca na bochecha, com alegria e conforto.

Hug_Me___by_azuzephre

Então a gente pode saber quão amigo se é de alguém, qual o grau que se está de acordo com a formalidade do abraço. Sim!! O afeto pode ser medido pelo abraço.

Começando pelo mais formal, vejamos as medidas, os abraços e seus possíveis significados:

Encostadinha com tapinhas nas costas: Não conheço você, não tenho pretensão de conhecer e estou apenas sendo gentil.

Abraço com as mãos espalmadas nas costas na  altura das asas: Você é um[a] fofo[a], mas ainda não confio em você o suficiente.

Braços entrelaçados, mas pouca duração e pouca força: Você é muito legal, gosto muito de você, mas ainda não posso dizer que confio em você.

Braços entrelaçados, muita força e pouca duração ou vice-versa: Amizade é algo que temos, mas algo em você ainda me deixa inseguro.

Braços entrelaçados, força, duração eterna, rostos grudados, beijos estalados, carinho, lágrima e seja lá mais o que precisar: Você é um grande amor e sem seu abraço eu não me sinto seguro[a] para caminhar por aí.

Enfim, abraços podem ser determinantes em nossas vivências, experiências e para suprir medidamente nossas carências. Eu, sendo uma carente profissional, preciso de abraços – pelo menos fortes – periodicamente e o que fazer quando os braços que realmente nos envolve não estão por perto? E quando aquele abraço que nos faz sentir que toda possibilidade de dor desintegrou, sumiu, não volta mais está longe e demora a chegar?

Eu tenho guardado em mim vários abraços, uns que existiram no passado, outros que estão no coração, alguns não vivo sem, outros simplesmente me retém e minha vontade é de morar ali para sempre.

O abraço cantarola no peito, o abraço verdadeiro é toalha morna na dor, é cobertor quentinho no frio, o abraço é a vontade de dois corações de estarem grudados, unos, apaixonados.

Ai que saudade dos meus amores e dos meus amigos. Viva meus amigos… E viva a possibilidade de novos amigos também.

See u!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários moderados.