segunda-feira, 21 de novembro de 2011

A Ignorância é uma Dádiva!

tres_monos_peqDepois que já se sabe bastante você descobre que não saber tanto é o ideal para a sua sanidade mental. Quem me conhece e vai ler esse post vai julgá-lo paradoxal, mas eu adoro os paradoxos. Para quem não me conhece eu explico o por quê do post ser paradoxal: acabo de passar no mestrado em Antropologia Social na UnB – isto é, saber mais de cada vez menos. Vou me especializar em algo, vou adquirir uma marca profissional, um selo de garantia, vou estudar mais e mais coisas e saber mais. Irei me afastar cada vez mais da ignorância, pelo menos no que diz respeito a alguns assuntos pontuais.

Mas eu quero enaltecer a ignorância hoje. Pois não saber pode ser um grande privilégio. Quando não se sabe não há grandes mentiras ou grandes verdades, não há certezas ou dúvidas dantescas, não há melodrama ou isolamento. Quando não se sabe apenas se vive, como um passarinho que se contenta em saber fazer seu ninho, colher frutas e caçar insetos.

Sabe aquele papo bíblica que  diz:

“Vejam como crescem os lírios do campo: não trabalham e nem fiam.  E te digo, que nem Salomão, em toda sua glória se vestiu como um deles” [J.C.].

velha_da_rocaÉ mais ou menos assim que vejo os ignorantes, como protegidos pela natureza. Pois fazem do natural a sua vida, naturalizam tudo, o acordar com o sol, o alimentar com o que é possível ter, o vestir o que se tem, o morrer por vontade do divino. Sei que a palavra ignorante carrega em si um peso pejorativa enorme, mas tente ignorar tal peso e pense na leveza dessa palavra.

Eu ignoro, eu não sei e o não saber me deixa ser apenas animal. Pense como que o tratar nossa capacidade mental como sublime e como algo que deve cada vez mais ser potencializada nos submete a tantas normas e regras que torturam e abatem o nosso vigor para a vida.

Ingressarei eu no próximo ano, oficialmente, no mundo acadêmico da antropologia social, estarei eu começando o meu processo de passar de aspirante à mestre. E o que é isso? Como isso existirá em mim?

Tomarei cuidado!!  Antropófaga que sou, me alimentarei do saber alheio e darei de beber à quem achar que sou fonte. Mas ainda assim, terei cuidado! Pois é essencial ao humano se lembrar que é na ignorância que está a liberdade de não precisar ser nada, nem mesmo livre.

See u!!