terça-feira, 31 de maio de 2011

Kit Gay? - Sobre a sexualidade do outro.

 

Nessa última semana estamos vivendo um reboliço nas mídias por causa da “travamento” do kit anti-homofobia. Quem me conhece sabe que eu sou super a favor do anti-sexismo, anti-homofobia, anti-racismo e por aí vai e mesmo se eu não fosse super a favor eu seria sensata o suficiente para não ser contra, ficaria quieta no meu canto.

Kit-Anti-Homofobia-MEC

Mas depois de altas reivindicações que recebi no email através de grupos feministas de discussão, de amigos gays e de colegas das ciências sociais eu resolvi dizer o que eu penso sobre o “travamento” do kit. Não estou defendendo o governo e acho mesmo que o “travamento” ocorreu por influência [Vide Pressão] da bancada cristãzinha [com todo respeito] no congresso. Ridículo!! Estado Laico, já!!! Irritado

No entanto, eu acho viável a não liberação do kit anti-homofobia nesse momento histórico que a educação brasileira se encontra.

Por que?

Tá louca?

WTF?

** Acalmem-se!!**

Reclicar professores copy

 

Só penso que esse material iria virar entulho nas escolas, não existe preparação suficiente dentro das escolas para se tratar desse assunto com a seriedade e o respeito necessários. Alunos nas escolas ainda são conformados, diariamente, de acordo com a heteronormatividade [são os padrões que dizem como se deve ser homem e como se deve ser mulher em uma determinada sociedade]. Meninos em idade de ensino infantil ainda não podem brincar com Barbie’s com a mesma tranqüilidade com que brincam com Max Steel’s. Meninos não podem ainda ganhar “cozinhas” de presente no natal. Na escola, na família e em vários espaços instituidores dos valores sociais, mantenedores da ordem social, ainda não se pode ser o homem e a mulher que se quer ser. Ainda não se consegue desvincular o ‘desejo sexual que terei’ da liberdade de utilizar os objetos de nossa realidade de maneira livre. Os determinismos ainda estão aí e NÃO estão em pauta na escola.

Jovens  ainda não sabem lidar com sua sexualidade e, alguns, ainda não podem conversar com seus pais sobre o assunto [principalmente meninas]. Estão transferindo cada vez mais para os professores a função de educar as crianças, mas como fazer isso se estou sob o crivo do pai e da mãe da criança. Se a “coisa” ficar muito esquisita, toc toc toc, visita dos pais à escola.

- Que professora malvada é você!

Como um kit anti-homofobia pode entrar na escola se as crianças e os jovens ainda não sabem que têm autonomia para pensar por si só? Se ninguém explicou e debateu com eles o fato de que a existência deles diz respeito a eles e que a existência do outro diz respeito ao outro; e que pensar assim faz surgir o RESPEITO?

Como eu falo de anti-homofobia se a jovem menina ainda não sabe que beijar na boca não engravida? Como eu falo da sexualidade do outro se eu não sei da minha sexualidade? Acho que as pessoas se esquecem que ao falar de homofobia se fala sobre homossexualidade e que falando de homossexualidade se está falando de sexualidade. E cadê o kit sexualidade?

Eu, como professora que estou, não o recebi ainda.

Por isso, não acho ruim que o kit anti-homofobia fique por lá. Vamos falar de gênero e sexualidade primeiro, do meu gênero, da minha sexualidade. Depois eu falo sobre como lidar com a sexualidade do meu vizinho [absurdo é alguém se achar no direito de discutir a sexualidade do vizinho para saber lidar com ela].

Para mim bastava ensinar uma coisa: R-E-S-P-E-I-T-O!

Eu sei que vai ter milhões de pessoas que discordam de mim… Porém, eu acho lindo que as pessoas discordem. Smiley piscando

See u!!

7 comentários:

  1. PARABENS CASSI....
    PRIMEIRO TEMOS QUE APRENDER A RESPEITAR A DIFERENÇA E A IGUALDADE...A RESPEITAR AS PESSOAS NAO PELA SUA SEXUALIDADE...MAS APENAS POR SERERM PESSOAS...

    ResponderExcluir
  2. Então, só para discordar, vou concordar.rsss É isso aí... a base de TUDO é o respeito.

    E realmente a questão da sexualidade vem antes. A falha é que isso ainda não tenha sido visto pelo nosso incrível sistema de ensino...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. E bota incrível nisso! ô desespero...
    =/

    ResponderExcluir
  4. Oi, a Deb me enviou o texto... vou discordar hehe
    Discordo pelo seguinte: o fato de o kit ser barrado, deu aos malucos defensores dos bons costumes um poder absurdo... ai q raiva!!!

    Imagine o nervoso que já não passei na sala dos professores, pq, pra mim, pior q o pai do aluno (q pelo menos não estudou para "educar" ninguém, como um pedagogo) é professor preconceituoso.

    Nem se dão ao trabalho de saber do que se trata e saem por aí falando e ratificando absurdos. Ai, sou obrigada a ouvir: vc vai querer ser boiola, moleque!! Como ofensa e me calar.
    Gostei bastante do texto. Concordo que respeito é essencial... hehe

    ResponderExcluir
  5. Rosana,
    O fato de ter dado poder "ao malucos defensores dos bons costume" realmente é um problema sério.
    Mas isso é mais um motivo para que eu acredite que o kit iria vira entulho na escola... tem q haver uma conscientização sobre respeito primeiro.
    obrigada pela visita..
    bjinhos!

    ResponderExcluir
  6. Muito bem colocado. Concordo plenamente com tudo que disse. Devemos realmente olhar para nós antes de querer olhar para o vizinho. Olhando bem para nós mesmos, sequer vamos querer olhar os vizinhos. Afinal, quem não tem teto de vidro?

    ResponderExcluir

Comentários moderados.