quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

A Vida Arranha: Sobre um amigo.

 

à um amigo só.

SolidãoEu teria muitas coisas para lhe perguntar, queria saber de você, com sinceridade e lucidez, quais foram os fatos que lhe trouxeram até o hoje.

A vida nos arranha desde que nascemos. São empurrões, tapas, puxões e etc., vindos, na maioria das vezes, das pessoas que mais amamos. Daquelas que sempre imaginamos que nunca deveriam nos machucar, nunca. Em alguns momentos nos acostumamos com isso, acreditamos que se não é assim, a vida não é. E isso faz de cada um de nós um solitário. Alguém que não sabe ser dois em momento algum, parece-me que com você não é diferente.

O amor não é só distração, tome cuidado!

Nem sempre inventar uma nova história nos possibilita viver sem arranhões, é costume da vida arranhar. Mas nos recuperamos, lembra? Glóbulos brancos bonitinhos tratam da cicatrização, não precisamos ficar arranhados como um velho disco que ao se arranhar destrói a parte mais bela da música. NÓS CICATRIZAMOS!

Cada um sabe como curar suas feridas, cada um tem sua maneira de aliviar a dor das feridas, mas ficar só não é uma boa opção.

Entenda solitário como o estado em que estamos quando não conseguimos estar com quem realmente está disposto a estar conosco. Quando não estamos com alguém que se envolva e que nos envolva por inteiro. Se estar com pessoas que envolvem sinceramente lhe incomoda muito é porque você está acostumado a ser só e está escolhendo a ser só vivendo dias de superfície.

Bondade e caridade não trazem envolvimento. Bondade e caridade levam ao céu [ou não]. Brincadeiras a parte, caridoso é uma bom adjetivo para “caçadores de recompensa”. Caridade é “disposição favorável em relação a alguém em situação de inferioridade”, é compaixão, pena. Por que se relaciona com quem tem pena de você?

O respeito a liberdade do outro talvez seja a pior desgraça para um relacionamento, seja de amizade ou seja conjugal ou seja fraterno. Em alguns momentos é preciso ter coragem para sacudir o amigo, para dar-lhe na cara com palavras que talvez ele não queira ouvir.Corda da Liberdade

Mas isso pode custar o nosso afeto. Pode proporcionar distancia.

Eu já não sei o que penso sobre isso tudo o que você está vivendo, também não sei se você acredita que me preocupo de verdade. Olha, não duvido da sua capacidade de amar, mas tenho duvidado da sua lucidez.

Não quero ver você se enforcar na tal corda da liberdade em nome de um amor que você diz sentir, porém não me parece real.

Parece um pesadelo, uma loucura, um devaneio que não acaba nunca.

Por enquanto, desejo-lhe, à distância, sorte e lucidez. Tome cuidado!

8 comentários:

  1. A vida é simples demais para entende-la, por isso vivemos esses dilemas. Se compreender a finitude de nosso tempo, entenderemos o que somos e podemos, não perderiamos tanto tempo com coisas que só nos impedem de viver. Cada ser é um universo em si. Somente para nascer, precisamos de outras pessoas, a morte é solitária e intransferível.

    ResponderExcluir
  2. Acho que a gente tem de sempre tomar muito cuidado com o costume de pensar sozinho... Os pensamentos vão começando a girar em espirais, e muitas vezes chegar aos lugares mais equivocados e desconectados da realidade.

    E o olhar do outro pode ajudar a nos trazer de volta... A ver as coisas como elas são, e não como passamos a acreditar que elas fossem.

    Beijos,
    Deb.

    ResponderExcluir
  3. É, Omar, essa simplicidade arranha muito.

    =/

    ResponderExcluir
  4. Deb,
    Só se pode falar quando a pessoa quer ouvir, né?
    E sinto que ele não quer, esse é o meu desespero e de outros amigos dele.

    Paciência!

    ResponderExcluir
  5. amigo,
    se cair, pode me chamar que eu te ajudo a levantar. se voce precisar rolar no chao antes, eu espero.
    as vezes acontece da pessoa precisar chegar ao fundo do poço p/ conseguir se impulsionar de volta pra cima, neh?

    ResponderExcluir
  6. Lembre-se: Cada um tem pesadelos a sua maneira! =P

    ResponderExcluir

Comentários moderados.