quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

A Dor da Gente: Sobre expectativas e decepções.

 

Sozinho.

Eu não sei como escrever sobre isso, mas eu preciso.

Existem pessoas que conhecemos por toda a nossa vida, no entanto é como se não precisassem existir. Essas pessoas que se alocam ao nosso arredor e vão sugando a energia da gente, a alegria e a beleza da vida.

Essas pessoas nos mostram que a solidão é amarga e que antes estar mal acompanhado. Contudo, eu, EU MESMA, cansei de estar mal acompanhada, cansei do amor de quem na verdade não ama, mas apenas quer se abastecer com o amor gratuito do outro.

E sinceramente, muitas vezes eu me pergunto qual é a finalidade de familiares se não atormentar e fazer barulho na mente da gente.

A cada dia que passa sinto mais falta do silêncio de uma pessoa prudente e sensata que vivia por perto e de outra sorridente e que tinha o abraço mais bonito do mundo. Talvez eu esteja iludida com elas, talvez não houve tempo para decepção por eles terem ido embora pra sempre. Mas estou certa de que preciso aprender esse silêncio e esse abraço.

A decepção é muito dolorida, ela machuca, entope a garganta e faz arder os olhos. O ar vai faltando, o soluço vai chegando e a vontade é de sumir e se fazer inexistente.

A decepção só existe porque existe a expectativa, eu queria não ter expectativa nunca.

As expectativas que temos sempre são bonitas e agradáveis e quando nos deparamos com a realidade mesquinha e estúpida só nos resta a dor de ter que silenciar, afinal, quem mandou esperar tanto.

Nessas horas é que eu odeio a tal esperança, odeio esperar e odeio tudo que vem junto com qualquer tipo de expectativa, pois as decepções dilaceram e fazem com que fiquemos em um estado inanimado. Flávio Wetten

Eu quero ter ânimo na vida… Quero pessoas que estejam ao meu lado para viver comigo, não para contabilizar os carinhos e descobrir quando é que está saindo no lucro com aquela relação.

Estou falando de mim! Do que eu quero para mim… Não quero me sentir atraída pela solidão, pela tristeza ou pelo modismo da depressão. Não quero adquirir paciência através de calmantes e nem enlouquecer em gritos e xingamentos.

Quero ser respeitada e ter força o suficiente para respeitar quem não me respeita.

E não se engane, gentiliza não gera gentiliza. Talvez gentileza possa ATRAIR gentiliza, mas nem sempre conseguimos reter a falta de educação, a estupidez do outro sendo gentil.

Eu só quero poder ser feliz e sentir saudade de pessoas gentis quando quiser, não quando outros forem estúpidos.

Gordinho lindo [meu pai] – vou morrer de saudades, sempre!

Madrinha – sofro sem seu abraço.

Estejam em paz e se puderem, vez ou outra, mandem um pouco dela para mim.

8 comentários:

  1. ação reação
    ação reação
    justo injusto
    certo errado
    ação reação

    ResponderExcluir
  2. é Cassianne, existem essas pessoas ...

    mas te escrevo mesmo pq me chamou atenção essa frase escrita na imagem: 'os olhos mentem, dia e noite, a dor da gente' ... eu escrevi algo sobre os olhos, que diz exatamente o contrário: 'o que me traduz são meus olhos, o resto é ficção.'

    bem ... penso que as duas situações estejam verossímeis, já que temos uma DOR inerente ao Existir, e sempre a escondemos, senão dos outros, de nós mesmos ...

    adorei por aqui ...
    bjos pra vc ...

    ResponderExcluir
  3. Oi Curiosa,

    Essa frase é da música "O anjo mais velho" de Teatro mágico.
    E essa dor escondida faz realmente parte da nossa existência.

    Obrigada pela visita.

    =)

    ResponderExcluir
  4. ah sim! que bom saber ...
    vou ouví-la agora mesmo ...
    beijos a vc e grata ...

    ResponderExcluir
  5. Cassi

    Também andei assim nos últimos dias... cansaço da minha vida e das pessoas que estão nela... saudade amarga das que não estão mais...

    Mas a nuvem uma hora passa. :-)

    Beijo grande,
    Deb.

    ResponderExcluir
  6. Deve ter sido algum período torto para taurinas!

    =/

    bjinhos, linda!

    ResponderExcluir
  7. :-) É possível. Pré-pré-inferno astral...rsss

    Beijos!

    ResponderExcluir

Comentários moderados.