domingo, 26 de setembro de 2010

Das Diferenças: Brigar e Dar Porrada.

 

Preparando uma aula de sociologia sobre movimento feminista para a galerinha do 3º ano do ensino médio comecei a pensar em exemplos para falar sobre comportamento feminino e comportamento masculino visto como padrão. Daí pensei em falar um pouco sobre violência doméstica, patriarcado, dominação masculina e deu certo. Durante a aula chegamos até o fato de o homem falar tanto de brigas, de ficar se gabando sobre dar porrada e etc. e tal.

briga

E chegamos à um tipo de “normalidade” em brigas masculinas que seria: homem quando se sente ofendido por outro homem ele dá porrada; pensa em subjugar o corpo, em destruir o físico do outro, em dar porrada até ver o outro homem sem condições de sair do chão, muitas vezes saem em grupo, para destruir o outro rapidamente e evitar a possibilidade que ele saia machucado e tenha que admitir que ele também apanhou durante a briga. Dentro desse tipo “normal” fica evidente uma necessidade de exercer poder sobre o corpo do outro, em silêncio. A humilhação do outro vai ocorrer quando o corpo do outro receber olhares e puder ser constatado que ele é mais fraco do que alguém.

Mas aí pensamos: Mulheres também brigam. images

Chegamos também à um tipo de “normalidade” em brigas femininas, em que as mulheres costumam gritar, evidenciar enquanto brigam o motivo da briga, coisas do tipo: - “Vagabunda! Você vai aprender a não mexer com o homem de outra”. Então o ataque não é tão físico, é uma bagunça e um barulho que destrua a moral da outra, destrua a sua ‘imagem’, que evidencie que aquela com quem brigo merece ser estigmatizada, mantida longe do grupo, pois ela não merece confiança, é indigna e amoral. É, portanto, uma agressão moral.

A mulher não quer provar que é mais forte fisicamente do que a outra, que tem mais capacidade de subjugar o corpo da outra, mas quer que seu círculo social conheça o motivo que levou a esse ato.

Chegamos a conclusão na sala de que até a construção social sobre como se deve brigar depende de com qual sistema reprodutor nasceu. Meninos vão aprender socialmente a “brigar como homem” e as meninas vão aprender a não brigar, pois isso é coisa de meninos. Cheguei a ouvir em sala que achavam que não, que era biológico mesmo e que brigar era como um instinto do homem. Instinto?? Eu sou uma aspirante a antropóloga, não venha me falar sobre atitudes instintivas. Nem sempre o homem briga sozinho, algumas vezes briga em bando. E muitas vezes só conseguem subjugar o corpo do outro homem se estiverem em bando, se não também apanharia muito. Então as mulheres também poderiam aprender a dar porrada em grupo, ligar para as amigas para pegar a “vagabunda” em um beco qualquer e destruir seu belo rostinho (isso eu nunca vi e nem nunca ouvi falar entre mulheres), mas não, as mulheres ainda preferem o escândalo, o gritar para todos o porquê de estar estapeando a outra.  Aí sim, quando a outra passar no meio de todos vai saber que a outra venceu, pois quem a olha diz com os olhos “vagabunda! Mereceu a surra que levou”, mesmo se a “dona da briga” tiver apanhado mais.

Normatividade das atitudes de homens e mulheres é algo que constantemente me atrai. Muitas vezes tenho muita pena dos homens, pois minha reflexão me leva a crer que o fardo normativo pelo qual eles passam são muito mais pesados do que o fardo normativo da mulher. Mas eu acredito que isso está mudando e [re]mudando. Espero que eu possa presenciar um período bacana, às vezes eu sinto que está próximo, porém depois eu penso que está tão longe de acontecer.

Eu gosto de reinventar!

Smiley piscando

Um comentário:

  1. Cass

    Meu medo é que mude para pior... Que as mulheres comecem a dar porrada também.

    Mas sim, concordo demais com você. A mulher quer humilhar pela moral, o homem pela força bruta. (Tirando os intelectuais, que confiam mais em seus argumentos.)

    Beijos,
    Deb.

    ResponderExcluir

Comentários moderados.