domingo, 25 de julho de 2010

Sobre o esforço em si.

1248995944r3vP5zL

Há algum tempo eu sonhei com vários pássaros azuis entrando pela janela do meu quarto e fazendo uma alvoroço só. Piavam… voavam… se agitavam ao redor de mim e eu ficava lá, deitada na cama olhando para eles, tão livres e barulhentos, parecendo querer me dá algum tipo de sinal, no fim do sonho eles saem pela porta porta do quarto e eu acordei. Talvez fosse um convite para o azul, mas naquela época eu estava sem forças… Por outros motivos, aquele tipo de motivo que lhe deixa sem motivação.

Fiquei incomodada um bom tempo com os pássaros azuis que pareciam ter me trazido um convite. Estupidamente não aceitei o convite. Hoje foi um dia que começou bem azul, o primeiro dia que aceitei o convite, descobrir o azul é sempre descobrir uma imensidão.

oceano1016pg 

Oceano e céu se encontram em uma imensidão azul. E por ter aceitado o dia azul que foi hoje eu mergulhei numa imensidão que me deixou perdida dentro de mim. Como uma Alice que cai dentro de si mesma e fica muito confusa com o que encontra lá dentro. É um mundo de fantasias, de ilusões, de realidade malucas e dancinhas inimagináveis. E já não se sabe mais o que fazer quando se encontra ali.

"Gatinho de Cheshire", começou, bem timidamente, pois não tinha certeza se ele gostaria de ser chamado assim: entretanto ele apenas sorriu um pouco mais. , "Acho que ele gostou", pensou Alice, e continuou. "O senhor poderia me dizer, por favor, qual o caminho que devo tomar para sair daqui?"

"Isso depende muito de para onde você quer ir", respondeu o Gato.

"Não me importo muito para onde...", retrucou Alice.

"Então não importa o caminho que você escolha", disse o Gato.

"...contanto que dê em algum lugar", Alice completou.

[Lewis Carroll]

E assim um dia pode ficar completamente louco. Você sem saber para onde deve ir, se realmente qualquer caminho serve, mas com uma leve impressão de que sabe onde quer chegar. Queria ter um botão para desligar um pouco, acionar o stand by.

E durante o oscilar na imensidão a única coisa que consegui concluir é que eu não sou aquilo que podem ver. Sou completamente diferente... E muitas vezes não permito nem a mim mesma me conhecer.

No entanto, mesmo doendo um pouco, ainda estou disposta a aceitar o convite ao azul. Mesmo que no fim do dia a cabeça esteja doendo, o corpo fraco e os olhos cansados.

Eu preciso me permitir mais…

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários moderados.