sexta-feira, 7 de maio de 2010

Flanelar a Phoda!



- Direita, vai… Gira tudo… Vem, vem! Aí… Pára. Para frente um pouco, vira pra lá. Vem, vem… Aíííí!
Muitos motoristas já receberam o auxílio de um rapaz para estacionar ou para sair com o carro, essas pessoas são chamadas de flanelinhas. O apelido deve vir por causa da flanela que eles, na maioria das vezes, trazem nas mãos para limpar o pára-brisa dos carros.
Esse tipo de ajuda na hora de manobrar o carro até que vai. Mas ter que fazer isso durante o sexo é extremamente irritante, pelo menos para mim. Tá bom… Tá bom… Eu sei que os homens não lêem pensamentos e que a gnt tem que ajudá-los a encontrar o caminho da nossa felicidade. =D
Mas tem hora que durante o sexo você não quer ter que ficar dizendo onde ele tem que colocar a mão, onde ele deve mexer, com qual intensidade, com qual frequência, se é para cima ou para baixo, se chupa assim ou assado, se é para apertar ou se é para tocar suavemente.
Tem homem que não consegue mesmo perceber a diferença entre um “ahnnn..” do tipo “ai que delícia!” e um “Aihnnnn!” do tipo “tira a mão daí, porra!” ou “Não aperta!” Há vezes que verbalizar o que se quer é tão broxante quanto ver um video de parto normal. Assim como é broxando quando você está lá em cima do cara no seu ritmo certinho para gozar e ele solta um “rebola, putinha!”
- “Rebola, putinha!” ?????????????????????????? No diminutivo ainda??? Über broxante. Dá uma vontade de dizer: - “Não flanela, meu filho! Fica caladinho e concentra no serviço!”
Eu acho que homem conversa demais durante o sexo porque eles não precisam concentrar, pensar, visualizar o prazer para gozar. Ou até mesmo que o homem pode estar fazendo as contas do mês enquanto a mulher bate uma para ele e ele vai gozar mesmo assim. Acho que por isso mulher se irrita com essa falação e homem fica exigindo da mulher que ela fale. Pior quando diz: – “E aí?? Tá gostando?” Eu, sinceramente, já me segurei algumas vezes para não dar crise de riso depois dessa frase. E eu fico com vontade de rir porque eu penso na resposta e se eu fosse responder a pergunta eu teria que me sentar na frente do cara, abrir as pernas e explicar ponto por ponto o que ele deve fazer com a xoxota. Teria que conversar sério e dizer: “- Bem, bom bom, não tá… Mas tá bom! E poderia ser melhor se fosse assim, assim e assado”. E não seria uma simples flanelada, mas uma aula de como me dar prazer. Aí no fim eu poderia dizer qual a nota para o desempenho dele.
Pois nota de desempenho a gente só confere a quem conhece o modelo ideal de como deve se desempenhar. =p

2 comentários:

  1. Hahha... ótimo.
    Realmente, quando além da falta de sentido de orientação vem essas frases imbecis o negócio fica feio. "Tá gostoso, tá?", "Quer mais, quer"? (Não entendo porque essas coisas sempre vêm com essa repetição no final...) Ou coisas ainda piores, como os caçadores de elogios... "Tá gostando do meu pau, tá, putinha?"... Ou os finalizadores: "Goza, putinha, goza gostoso no meu pau." O que na prática equivale a dizer: "Goza logo porque EU vou gozar daqui a 10 segundos"...

    ResponderExcluir
  2. é por isso que eu tento entrar nesses blogs do meu trabalho e eles bloquearam tudo.
    haha

    ResponderExcluir

Comentários moderados.