quarta-feira, 3 de março de 2010

Questão de gênero?

amanda Era uma vez, em dias de carnaval no passado próximo [2001, talvez], uma menina que percebe a presença de um menino na sala de palestras. Inquieto, comunicativo, um artista. Tal menina, naquela época, saia do norte de minas e passava os dias de carnaval em BH em uma comunidade missionária católica em um encontro de formação religiosa. Tempo que lá ficou. Pois bem, a menina conheceu o menino e acabaram se encontrando no mundo virtual. Ah! O mundo virtual… aTóóóóóóronnn!

E o papo era irregular, vez ou outra trocavam algumas palavras tímidas, sem intimidade, sem muito de vida. Até que um dia ele resolveu dizer que também gostava de meninos. No princípio achei que era brincadeira, sarcasmo venenoso escorrendo no canto da boca, pois pessoas da capital costumam achar que pessoas do “interior” vão ter um piripaque só de ouvir falar dessas coisas bizarras que são coisas de pessoas modernas da capital. Ou seja, achei que ele estava querendo causar, me chocar. Fiquei na minha, prestando atenção, afinal, eu nunca tive problemas em conceber que pessoas experimentam o sexo de diversas formas. Aqui no interior os meninos costumam fuder animais: égua, vaca, cabra e até cadelas [dependendo do porte]. Eu cresci ouvindo dizer “fulano pegou a cabra de ciclano lá no lote vago da rua tal hoje” e eu pensava “melhor seria se fosse com humanos, mas tudo bem!”. Quando a gente não ouve um caso ou outro de incesto pai-filha.

Voltando a revelação: Fui percebendo que não era brincadeira e que deveria estar sendo um pouco constrangedor para ele me confidenciar isso, afinal ele me conheceu sendo uma menina católica praticante e do interior. Se ele resolveu falar sobre isso comigo era porque de algum modo lhe inspirei confiança e fiquei lisonjeada por isso.

Tão logo ele me adicionou no msn dela, o seu outro eu, a Amanda Maruan [Que agora tem um blog!]. E desde então é mais comum eu conversar com a Amanda do que com aquele menino. A Amanda é uma mulher safadinha cheia de atitude. E a primeira vez que entrei no msn e dei de cara com a frase: “Ser mulher não é só uma questão de gênero, mas de espírito”, eu pensei em quanta vontade há nessa frase, quanto desejo, quantas dúvidas e, talvez, receios.

O desejo de ser mulher e com isso ser tudo que esse signo pode inspirar. As dúvidas que rondam essa vida que são duas discaradamente. O receio de escolher e através da escolha entristecer pessoas que ama.

Eu, que nasci com vagina, posso me levantar para ir trabalhar e passar um lápis no olho e um batom na boca. Mas ela, que tem a mesma vontade, não pode. Só porque nasceu com pênis. Tem que se montar como homenzinho todos os dias. É… isso mesmo! Essa mulher tem que se entitular uma Crossdressing, um homem que se veste com roupas de mulher quando as circunstâncias permitem. Mas para mim é uma mulher que tem que se vestir de homem ordinariamente. Pois quando ela está vestida de mulher é quando ela se sente a vontade, então, por que dizer que ela se montou de mulher?? Ela se vestiu. Apenas… Ela se monta quando tem que escolher roupas que indiquem que ela é um homem heterossexual, para assim poder ir trabalhar.

Questão de espírito! Somos limitados demais para entender o espírito alheio, posso tentar entender o que vejo, fisicamente, mas nunca vou entender o que ela sente, o que realmente pensa, o que a leva a agir assim. O que rege seu mundinho particular. Mas tenho certeza que terei o privilégio de acompanhar várias mudanças na vida da Amanda… E não será no Diário de Mulherzinha que você poderá ler sobre essas mudanças, será talvez em um livro que nos falará sobre uma antropologia da volúpia [usando o termo criado pela Melzinha]. HiHiHiHiHiHiHi…

Simboraaaaaaaaaa, Amanda… causar demais! Porque você sabe intimamente que eu atóóóóronnnn saber dos babados. =D

[Uma homenagem simples, porém singela.]

4 comentários:

  1. Ai amiga lagrimas verteram de meus olhos ao ler certas partes do texto. Mais por felicidade que qualquer coisa. Felicidade por saber que alguem me compreende, que entende minhas. Tudo que tenho a dizer é apenas um obrigado. Não por essa homenagem, mas por existir na minha vida. Eu te amo muito por isso e queria poder te dar um abraço sempre que dá vontade mas a distancia fisica nao permite (nem a monetaria pois sempre que tivesse vontade de te abraçar eu viajaria daqui prai diariamente).

    Beijos da sempre sua de corpo e alma Amanda Maruan

    ResponderExcluir
  2. LLIIINNDDDOOO!!! As pessoas devem ser o que são, e não corresponder a uma sociedade que nunca é recíproca a nossas expectativas. AMEI

    ResponderExcluir
  3. Acho que o seu "lembre-se": Cada ser tem sonhos a sua maneira, é o famoso faça minhas vossas palavras!!! Eu conheço a Amanda, e como posso dizer... é a melhor amiga irmão que posso ter!!! =)

    ResponderExcluir
  4. "No princípio achei que era brincadeira, sarcasmo venenoso escorrendo no canto da boca (...) Ou seja, achei que ele estava querendo causar, me chocar(...)Fui percebendo que não era brincadeira"

    E com o tempo vi que Amanda poderia sim ser uma ótima amiga totalmente diferente do menino que eu conhecia, afinal,são pessoas diferentes em um mesmo corpo algo que a Química não consegue explicar.

    Aballa Amanda e parabens Mlle pelo post ^^
    Beijokas

    ResponderExcluir

Comentários moderados.