sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Os Olhos de Capitolina!


"Olhos de Cigana, Oblíqua e Dissimulada".
[Dom Casmurro - Machado de Assis]

A marca do olhar, o enfeitiçamento através dos olhos é algo que há muito tempo se fala sobre. Os olhos são o espelho da alma. Os olhos são a candeia do corpo. Olhos são portais que revelam, que expoem as verdades e as mentiras.
Não se confia em alguém quando não se confia em seus olhos.

O olhar da Capitu é o olhar mais cobiçado da literatura brasileira. Um olhar que provoca insanidade, desejo, cólera, doçura, desconfiança e mais. Talvez por haver no olhar da capitu algo que não existe em suas ações, mas não se consegue descobrir o que é. Há no olhar dela um algo que não se revela, não se entende, que guarda um segredo e talvez por isso desperte a possibilidade de uma mentira, ou pelo menos de uma omissão. Visto que quando não se pergunta a coisa certa para se obter certa resposta a resposta não encontrada não é uma mentira, mas uma omissão.

Olhos que omitem são mais crueis do que olhos que mentem. Pois olhos que omitem riem daqueles que não souberam fazer a pergunta certa. Ou tiveram receio de fazê-la. Olhos que omitem riem da prudência alheia, da hipocrisia, do tato com as palavras... Eles gargalham sobre os escrúpulos.

Pois bem, leitora [e leitor], faço um brinde ao olhar da Capitu. Faço um brinde a falta de escrúpulos na hora de perguntar o que se quer realmente saber. Que essas duas coisas [os olhos que omitem e as perguntas sem escrúpulos] possam ser uma constante em nossas vidas. HiHiHi..

É possível que o Bentinho tenha se tornado o Dom Casmurro por causa da ausência da pergunta. Talvez por medo da resposta. O medo da resposta também imobiliza as pessoas. E os olhos que não precisam responder continuarão sempre rindo... Com ou sem óculos.
;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários moderados.