segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Paz


Eu quero entender o que me deixa em paz.
Eu quero viver minha liberdade em paz.
Eu quero amar a paz que eu já tenho.
Sinta a sua respiração: Paz!
Seja poeta: o poeta é o traficante da liberdade.
=D

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Tou chegando, Bel!

Foto: Cassi e Bel


Só porque eu falei com ela - Isa Bella - que o ano não virava se eu não chegasse ao Espritu Santo para dar um abraço nela.
Vou indo-me para lá. =p

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Conto nº 2: Feiticeira do Asfalto.





A conheci há alguns dias atrás. Não parece ser alguém que tenha vindo de um universo paralelo qualquer. Quando a conheci tinha a pele rosada e sorriso largo. Não tinha anéis nos dedos e nem grampos nos cabelos. Parecia ser capaz de se divertir com muito pouco. Mas pelo o que me parece aquela não era bem ela, acredito que naquele dia eu não a vi realmente, deveria estar escondida por um feitiço simpático.
Hoje ela passou por mim como se eu não existisse no mundo dela. Alta, forte, sisuda e solitária. Parecia contar os passos para não se perder pelo caminho. Queria poder ler seus pensamentos, mas sou apenas um mortal.
Eu diria que hoje seus cabelos foram penteados/arrumados por uma fada. Cada fio que lhe cai sobre o rosto e as costas parece ter sido posicionado estrategicamente. Sua pele está empalidecida, com um pouco de carmim nas maças do rosto e na boca. Os olhos firmes e perdidos, como se procurasse entre o limiar dos mundos uma brecha para espiar o que acontece do lado de lá. Houve momentos que acreditei que ela o conseguiu, pois vez ou outra - com o olhar pousado no nada - vi surgir um sorriso tímido em sua face, aquele tipo de sorriso que só acontece quando se compartilha algo com outro.
Ainda me parece um mistério. Uma mulher que instiga, atiça fogo e de repente tenta passar desapercebida. Mas é nesse momento que ela se torna mais evidente. Uma feiticeira, Senhora que vive entre dois universos paralelos, que sonha em estar lá quando aqui está e se contorce de saudades de cá quando é lá que está descansando.
Particularmente hoje, pareceu-me que ela estava nos dois lugares ao mesmo tempo. Lá e cá. Pois não tinha aquele sorriso largo plenamente e nem se permitia ser absolutamente rígida.
Que venham os próximos dias de encontros casuais e que eu consiga conhecer um pouco mais dessa feiticeira do asfalto.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Assim Disse: "E' un mondo difficile"



Tonino Carotone


E' un mondo difficile

e vita intensa
felicita' a momenti
e futuro incerto
il fuoco e l'acqua
con certa calma
serata di vento
e nostra piccola vita
e nostro grande cuore

Porque voy a creer yo en el amor
si non me entiende no me comprenden tal como yo soy
Porque voy a creer yo en el amor
si me traiciona y me abandona cuando major estoy
No sabemos muy bien entre tu y yo
y aunque parezca no tienes la culpa la culpa es del amor

E' un mondo difficile
e vita intensa
felicita' a momentie futuro incerto
No puedo convencer a mi corazon
si yo no dudo y estoy seguro que el tiene razon
No voy a asesinar esa sensacion
si yo la quiero yo la deseo aunque me de' dolor
Yo no quiero sufrir pero aqui' estoy
y estoy sufriendo y no me arrepiento
me cago en el amor

E' un mondo difficile
e vita intensa
felicita' a momenti
e futuro incerto
il fuoco e l'acqua
con certa calma
serata di vento
e nostra piccola vitae nostro grande cuore

Porque voy a creer yo en el amor
si non me entiende no me comprenden tal como soy yo
Porque voy a creer yo en el amor
si me traiciona y me abandona cuando major estoy
No sabemos muy bien entre tu y yo
y aunque parezca no tienes la culpa la culpa es del amor
Yo no quiero sufrir pero aqui' estoy
y estoy sufriendo y no me arrepiento
(me cago en el amor) me cago en el amor
Me cago en el amorMe cago en el amor

Vita mia
E' un mondo difficile

[Cancion: Me Cago en El Amor]

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

"São só garotos!"




Eu queria ter a idade que está marcada na pele de minhas mãos.
E não esperar.
E ter o direito de atacar.
Não me surpreender mais com mentiras.

Tenho excessos que me impedem de muita coisa.
Uma mente em devaneio e um coração delirante.

Não sei o que fazer comigo.
Volta Anne! Volta.

Eu preciso aprender mais coisas como você.
Não tenho maturidade o suficiente para conseguir ser apenas uma.

Eu ainda aprendo a ser só. Afinal, garotos são só garotos!

sábado, 12 de dezembro de 2009

O trem!



Adoro ouvir o barulho do trem de madrugada. E. só percebi quanto isso é intenso em mim hoje.
O sino, o barulho dos vagões trepidando nos trilhos.


Se eu parar para pensar bem, eu cresci caminhando sobre os trilhos. Procurando equilibrio entre um passo e outro para ficar em cima de um dos trilhos ou contando os passo para caminhar sobre as tabuas que ficam entrem os trilhos.


Acho trem lindo. Nunca andei de trem, acho que vou fazer isso nessas férias, em janeiro. Vou tentar pelo menos. É capaz até que eu fique emocionada. Já andei de bicicleta sobre os trilhos, já pulei um entre-meio de um vagão para outro de um trem parado para conseguir atravessar a linha, sempre me senti como a moradora do lado de lá dos trilhos. Eu vejo a cidade partida pelos trilhos e eu moro aqui, do lado de cá... longe do lado de lá. E sinto minha energia vibrar mais forte quando atravesso os trilhos.

Não gosto de passar pela ponte... Gosto de sentir o trepidar dos trilhos. Talvez por isso eu ainda insista em andar na linha, em alguns aspectos.

Ah! Trem... passa novamente e me faz dormir?!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Assim Disse:

Lobão

Às vezes é melhor deixar o tempo passar.
Às vezes é melhor virar a página e recomeçar tudo de novo, tudo de novo mais uma vez.
Às vezes é melhor sorrir, imaginar.
Às vezes é melhor não insistir, deixar rolar.
E tratar as sombras com ternura, o medo com ternura e esperar...
Às vezes é melhor deixar o grito escapar.
Às vezes é melhor perder o controle e desabar, e quebrar todas as promessas e atacar!


...

Só porque tem show dele por aqui amanhã e eu quero ir.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Assim disse:


Gabriel Garcia Marquez


Não sinto nada mais ou menos, ou eu gosto ou não gosto. Não sei sentir em doses homeopáticas. Preciso e gosto de intensidade, mesmo que ela seja ilusória e se não for assim, prefiro que não seja. Não me apetece viver histórias medíocres, paixões não correspondidas e pessoas água com açúcar. Não sei brincar e ser café com leite. Só quero na minha vida gente que transpire adrenalina de alguma forma, que tenha coragem suficiente pra me dizer o que sente antes, durante e depois ou que invente boas estórias caso não possa vivê-las. Porque eu acho sempre muitas coisas - porque tenho uma mente fértil e delirante - e porque posso achar errado - e ter que me desculpar - e detesto pedir desculpas embora o faça sem dificuldade se me provarem que eu estraguei tudo achando o que não devia. Quero grandes histórias e estórias; quero o amor e o ódio; quero o mais, o demais ou o nada. Não me importa o que é de verdade ou o que é mentira, mas tem que me convencer, extrair o máximo do meu prazer e me fazer crêr que é para sempre quando eu digo convicto que " nada é para sempre."

sábado, 5 de dezembro de 2009

Estrutura do Pensamento

As ações humanas são guiadas, constantemente, por tipos ideais que povoam a mente, a idéia coletiva. E isso ocorre também quando se trata de relação entre pessoas. Relação entre homem e mulher. Uma estrutura de pensamento que rege o comportamento de gênero.
E há quem acredite que a estrutura de uma sociedade se mantém, também, através da relação: moral religiosa -> sociedade -> manutenção da moral religiosa.
Bem, por aqui a moral religiosa é cristã e o modelo ideal de comportamento de gênero é a ... tchan nan nan nan... Sagrada Família - que estará dentro da casa de muitos agora no natal.




Esse modelo ideal fode com tudo - Vixi nossinhora, estou sendo profana - mas F O D E mesmo.




Pense: A mãe dessa família sagrada é uma santa mulher, virgem que se casa com o homem que tudo provê, que pacientemente ajuda para que tudo der certo. E além do mais é filha e amante do homem mais fodaum de todos, que realmente provê TUDO. E ninguém faz uma análise incestuosa da sagrada família. Ora essa. Fazer o quê?! Olha eu sacrilejando de novo.

Trocando em miúdos.
Espera-se uma mulher bem casada e um homem bem sucedido provendo essa mulher bem casada com ele que é bem sucedido. HiHiHiHi.. Ciclo perfeitinho.



O que o homem que deve ser o bem sucedido espera da mulher eu não sei, mas eu poderia fazer uma lista do que eu penso que a mulher que deve ser a bem casada espera dele.


A mulher [que deve ser a bem casada]:

  • Ela chega super empolgada contando algo que ela vai fazer e ele desaprova. Ela se sente ofendida, fica triste e por mais que queira acreditar que ela pode fazer aquilo, mesmo com a reprovação dele, ela o fará triste, chateada, sem tesão. Pois ela, mesmo sem querer, se importa com a opinião dele e não quer parecer estúpida diante do homem que ama.
  • Ela está com gordurinhas a mais e não acha que está tão ruim assim. Ele tranquilamente faz um comentário sobre a pancinha que está a cada dia maior. Ela engole seco, sorri, mas fica triste. Pois qualquer um poderia falar daquela pancinha, menos ele. Ele teria que desejá-la e, quem sabe, achar aquela pancinha super sexy. Lá vai ela, então, mesmo sem querer, acabar com a pancinha.
  • Ela está com raiva de alguma coisa que ele fez e de repente fala sobre essa coisa na frente de um terceiro. Ele fica super chateado, se entristece, pois ela não tinha o direito de falar sobre aquilo na frente de alguém. Mas por algum motivo ela precisava falar e para falar precisava de um escudo. Mulheres não estão dispostas a apanhar todas as vezes que precisam falar sobre um erro cometido pelo homem que se pensa perfeito. Já perceberam como os homens estufam os peitos quando o bicho começa a pegar na hora de um DR? Mesmo que ele não bata, parece que pode.

E tem mais coisas, mais e mais... pensamentos que regem a cabeça de mulheres, mesmo daquelas que parecem mais soltas e livres. Descoladas. Mulheres aprendem a ser inseguras, para que eles sejam seguros. Aprendem a ir cobri-los, mesmo que ele vá dormir no sofá. Mas buscam, buscam o ideal de conseguirem realmente ficar sem olhar na cara deles quando assim elas prometerem.

Buscam não se importar com ele, já que ele parece realmente não se importar com ela.

Daí vem o descontrole. Daí vem vários erros. Porque mesmo quando não se quer nem por um triz se parecer com a mulher da sagrada família, fazemos coisas que fazem com que não reconheçamos a nós mesmas quando estamos com o homem que amamos.

Paciência.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Os Olhos de Capitolina!


"Olhos de Cigana, Oblíqua e Dissimulada".
[Dom Casmurro - Machado de Assis]

A marca do olhar, o enfeitiçamento através dos olhos é algo que há muito tempo se fala sobre. Os olhos são o espelho da alma. Os olhos são a candeia do corpo. Olhos são portais que revelam, que expoem as verdades e as mentiras.
Não se confia em alguém quando não se confia em seus olhos.

O olhar da Capitu é o olhar mais cobiçado da literatura brasileira. Um olhar que provoca insanidade, desejo, cólera, doçura, desconfiança e mais. Talvez por haver no olhar da capitu algo que não existe em suas ações, mas não se consegue descobrir o que é. Há no olhar dela um algo que não se revela, não se entende, que guarda um segredo e talvez por isso desperte a possibilidade de uma mentira, ou pelo menos de uma omissão. Visto que quando não se pergunta a coisa certa para se obter certa resposta a resposta não encontrada não é uma mentira, mas uma omissão.

Olhos que omitem são mais crueis do que olhos que mentem. Pois olhos que omitem riem daqueles que não souberam fazer a pergunta certa. Ou tiveram receio de fazê-la. Olhos que omitem riem da prudência alheia, da hipocrisia, do tato com as palavras... Eles gargalham sobre os escrúpulos.

Pois bem, leitora [e leitor], faço um brinde ao olhar da Capitu. Faço um brinde a falta de escrúpulos na hora de perguntar o que se quer realmente saber. Que essas duas coisas [os olhos que omitem e as perguntas sem escrúpulos] possam ser uma constante em nossas vidas. HiHiHi..

É possível que o Bentinho tenha se tornado o Dom Casmurro por causa da ausência da pergunta. Talvez por medo da resposta. O medo da resposta também imobiliza as pessoas. E os olhos que não precisam responder continuarão sempre rindo... Com ou sem óculos.
;)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Sensualidade Carnuda

Eu estava no google procurando uma imagem para ilustrar meu post. E estava procurando justamente essa:

No entanto, eu me lembrava da imagem, mas não me lembrava que havia sido feita para essa campanha. Uma campanha ridícula que diz: "Esqueça: O Gosto dos Homens Nunca Vai Mudar". Ou poderia estar escrito: "Olha aqui, sua GORDA, ou você toma um potinho de iogurte por dia ou nunca vai ter uma vida sexual ativa e saudável". E esse saudável não é no sentido de "sem colesterol" e outros blábláblá's que todo mundo acredita ser doença só de gordo.
É saudável no sentido de não ficar maluca porque o cara só vai lhe comer se for escondido, nunca vai ser romântico com você, porque ser romântico com gordas é estranho [afinal, não dá para tomar a gorda nos braços e rodopiar na rua. E nem tentem isso em casa. ;p] e você vai começar a ficar louca e obcecada por iogurtes fit's para conseguir chegar ao peso ideal.
Para mim peso ideal de cu é ...
Meu peso ideal é aquele que me possibilita qualidade de vida. Com ou sem gordurinhas.


E sinceramente, eu chego ficar com gastura dessa atriz aí acima [a beleza americana original], quando a coloco perto da sensualíssima e carnuda da propaganda da Itambé.
E eu ainda acredito que as novas gerações de gordinhas vão crescer se sentindo tão lindas e sensuais quanto possam ser. Sem ter medo de ouvir crueldades do tipo: "ele até gosta de você, mas você podia emagrecer um pouco." Ou ter que se contentar com o cara que aparecer, mesmo que não as atraia para não chegarem aos 35 anos virgens.
Eu sou a favor do "que cada um tenha a possibilidade de viver plenamente os seus desejos".
Hedonismo?? Volúpia?? Que seja... Afinal, não vou levar nada dessa vida, então que ela seja pelo menos prazeirosa. =p
E só para constar, tem uma propaganda da dove que eu adoro:


quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Tattoo

[por Cassianne]
A cada nova marca que recebo
É um velho ciclo quebrado.
Escandalosamente abrindo em mim
brechas com a agulha daquele aparelho.

E a cada novo arranhão é como se toda
energia, boa ou ruim, se fosse.
Azeviche em minha pele.
Lótus em meu desenho.

Dança, canção, mambo.
Flor que zera a energia.
Sangue que mantém no passado o que lá ficou.

E eu sinto o ar voltar aos meus pulmões,
pureza e alegria.
Não reconheço mais as formas do passado.
Minha visão está levemente alterada.

Causa em mim nauseas ver o passado.
Espiritualmente outra.


segunda-feira, 30 de novembro de 2009

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Permissão para o erro.

Olha eu fazendo essa mesma merda de novo!
Quem nunca passou por isso?? Fazer algo que outros e até você mesmo considera errado pode se tornar um ciclo vicioso, quando você acha que se distanciou, está lá novamente, fazendo as mesmas coisas, com as mesmas dúvidas, as mesmas chateações, o mesmo cansaço: tudo repetido.
Eu queria conseguir controlar a mim mesma. A ter consciência do que eu achei que aprendi com o erro anterior e não repetir o que considerei erro nunca mais. Mas o desejo é tão grande... Desejo é algo que enlouquece a vida da gente. Quando desejamos muito algo nos tornamos vulneráveis a esse algo. Ficamos a mercê desse algo.
Sinceramente, hoje eu só gostaria de conseguir viver o que tanto desejo, sem precisar me sentir torta.
Hoje é um dia para ouvir Gogol Bordello: Think Locally, fuck globally.
E eu diria que meu local é bem localizado em mim mesma.[Vide Umbiguismo.]

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

E uma garrafa de rum!

Eu não fui uma teenager de colecionar posters de famosos. De ficar babando em pop stars [tá bom... tá bom... a fase backstreet boys e Spice Girls tomou conta de mim também].

Whatever.. o que quero dizer é que eu não fazia parte de fã clubes.
Mas vendo um trailerzinho na tv só sobre filmes estrelados pelo Johnny Depp e lembrando dos que eu já vi. Caralho... ele é tudibaum meeeessmo. HaHaHaHaHaHa...
As mulheres, hoje, sentem-se atraídas por caras que têm estilo. Pense: Uma boca gostosa, óculos de grau, pele morena, dread e um papo gostoso. Para algumas pode ser paixão na certa ou pelo menos uma foda gostosa. ;)
Johnny Depp é esse cara através das personagens que ele faz.
Ai ai.. eu suspiro só de pensar no Capitão Jack Sparrow. Atrapalhado, safado, sem vergonha, bebedor de rum e de uma esperteza colossal. Eu beberia rum com ele facinho, facinho...




Voltando a falar de estilo.

Os caras que talvez eram tidos como feios na adolescência, mas que hoje souberam fazer o seu estilo, aprenderam usar bem os acessórios [brincos, chapéus, bandanas, correntes, óculos e até o violão.. HiHiHi...], aprenderam a se fazer bonitos [com ou sem tatuagem, estilo de cabelo, barba, bigode; gordinho ou levemente malhado]; vão se tornando aos olhos da mulherada charmosos e sensuais. Alguns aprenderam a não se deterem em tentar conquistar a loira do tchan, mas mulheres que também tenham seu estilo, algo a dizer, sensualidade... conteúdo.

O Johnny mesmo não é essa beleza estonteante, aposto que era um adolescente feiosinho que fazia aulas de teatro e se dava mal com a garotas... HiHiHi... mas ele tem seu charme, sua leveza, um toque de sensualidade, uma vontade de algo mais.

Bom mesmo é se apaixonar pelo improvável. =D

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O Poder da Gargalhada!


A gargalhada é uma risada franca, estridente e prolongada [li ali no dicionário]. Dar gargalhadas expulsa o maus espíritos que estão em você, libera boas energias, faz você se sentir bonita, leve e livre.
Pode parecer loucura, mas eu dou crise solitária de gargalhada. Fazia tanto tempo que isso não me acontecia que quando ocorreu esse final de semana eu ria mais e mais por estar feliz por aquela crise ter retornado. Confesso que essa CSG só acontecia quando eu praticava a grande arte de pirraçar [ou ironizar a vida de] biscates, aparentemente-santas, birrentos, cismados-a-bons, ou seja, a categoria dos que não devem ser pirraçados ou ironizados. HauHAuAHuaHauHAuHaua... Fazia bastante tempo que eu me controlava e não pirraçava mais as pessoas. Eu implicava [que não é nada divertido], mas não pirraçava. Sabe aquele riso que fica guardado no canto da boca quando você faz algo ou diz algo que só você sabe o por quê? Adoro sentir esse risinho preso ali no cantinho, bem exprimidinho, esperando uma hora de violentamente sair.

Tive um renascimento. Sabe aquela história batida e repetida da Fênix? Juro que dessa vez eu me senti a própria. Os olhares que recebi foi do tipo: "essa maldita deve ter renascido do inferno". E eu me divirto muito. Mais ainda quando escuto os amigos dizerem: "vai ter que passar na casa de alguma dona pra mandar benzer, pq devem ter carregado vc". HuaHAuaHauAHuaHau..

Mas meu ritual de benzeção faço eu em mim mesma, dando gargalhadas exorcizantes, deixando lágrimas cairem e a barriga doer. Sozinha, um ritual louco e iluminado que brota dentro do meu ventre.

E eu já disse que considero meu rosto muito mais bonito rindo??? Estabanada de rir então... fico uma belezura. Recomendo a todas, gargalhem bastante, faz bem pra pele e nos mantém jovens. Com brilho nos olhos.


Um brinde a gargalhada estabanada.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Bad Reputation!

Jeans para operários que foi se tornando uniforme de rebeldes.




All star para jogadores [homens] de basquete que foi tomando os pés das mulherzinhas que estavam mais preocupadas em viver o dia do que ficar em cima do salto alto.




Jeans, All Star, Rock'n'Roll e Mulher. Resultado: Bad Reputation.




Foto: Joan Jett


"I don't give a damn 'bout my bad reputation!" ... Não é preciso se importar com o quê os outros pensam sobre nós. Em uma cidade grande, mas muito provinciana ter má reputação ainda é perigoso. Contudo, eu adoro viver no perigo. HuaHAuhaUaHaua...
Antes...
... eu pensava demais para tomar atitudes.
... eu temia os ouvidos alheios.
... eu temia, sobretudo, a língua alheia.
... eu tentava me manter sóbria durante uma farra.
Ou seja, eu me preocupava em ter uma boa reputação.
Mas já algum tempo percebi que usar meu all star, meu jeans, ir ao rock e ser mulher já não colaborava para a construção de uma boa reputação.
Dessa forma... um brinde a má reputação.

domingo, 22 de novembro de 2009

Relacionamento?


Sim, muitos!
Eu tenho muitos relacionamentos. Cada um a seu jeito, com suas formas, com diferentes tipos de beijos e abraços.
Solteira!
Parada no tempo e no espaço dos beijos ardentes cotidianos.
Diversão!
A ilusão de que por se estar solteira tem-se mais direito a se divertir. A todo e qualquer momento, sem resistir, sem hesitar, sem pensar na ressaca do dia seguinte.
Beleza!
A estupidez de acreditar que mulher solteira tem que estar bonita o tempo todo. Maquiagem, unha e cabelo. Que canseira!
E no fim...
A vontade de esperar algo novo. Mas sem paciência para ficar sentada e pensando: - "enquanto isso, na sala de justiça..."
Só alguns devaneios de final de semana que já está acabando.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Mulher e Cerveja.



Mulher, Cervejinha gelada, mesa do bar, galerinha animada e papo fiado. Uma combinação muito da safada.
Tenho notado que essa combinação, muitas vezes, pode tornar-se um grande constrangimento para os homens e mulheres que estão à mesa e para aqueles outros que estão por ali: garçons, vizinhos de mesa e etc.
Verdade que os garçons mais se divertem do que ficam chocados. Mas não queira olhar para a mesa ao lado depois que em sua mesa alguma mulher disse um sonoro: "Tem que dar a buceta mesmo..."

"oops! Foi mal." - é essa a reação de muitas mulheres depois que já disse o que tinha que ser dito e que se fosse um pouco mais hipocrita não diria. Mulher é muito mais hipocrita do que homem, mas isso é culpa das outras mulheres que vieram antes e das outras que vieram antes e vai, vai e vai... E é sem parar.

Acreditou-se que boca de mulher deve se manter fechada, bem como suas pernas.
Eu queria viver sem precisar desse "oops! Foi mal." quando uma mulher - e muitas das vezes essa mulher sou eu - fala o que quer dizer, sem rodeios ou pudores inexistentes em si. Ainda me sinto constrangida [menos do que antes] quando depois de uma frase despudorada e ébria - mas que também seria sóbria, mas em um tom menor - sai da minha boca e dou de cara com olhos arregalados, um puxão por baixo da mesa de uma amiga ou um "suspende o álcool".

E a vontade é de dizer: "suspende o álcool é o caralho, eu não falei ainda nem a metade do que tenho para falar". Mas em alguma coisa eu já progredi, não tenho mais ressaca moral. Já consegui entender que sou assim, desbocada e esculhambada sóbria ou ébria. E me divirto assim e estou cada vez mais conseguindo me divertir com os olhos arregalados dos outros também. =p


Enfim. Um brinde a Juventude e a Saúde.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

A Arte de Ser Mulher.



Vários artistas em todo o mundo expressaram sua arte através da mulher. De várias formas e vários ângulos.


Amedeo Modigliani expôs o rosto de Jeanne [sua amada] através de sua arte.


Joan Miró trouxe a beleza de uma lind[A] Bailarina.




E temos mais e mais... Monalisa, a Vênus de Milo, madona's...


Há momentos poéticos e extremamente polêmicos, como a exposição da arte de Gustave Courbet, um pintor francês considerado anarquista que viveu no século XIX.

Ele, magnificamente, nomeou a obra a seguir de "A Origem do Mundo".



Não sou conhecedora das artes. Apenas aprecio o impulso criativo, porcamente, mas aprecio. Não me arrisco a opinar sobre e muito menos criticar. Para mim, basta poder olhar o que vem do íntimo de alguém. Poder compartilhar um pouco do segredo do outro que ele me permitiu conhecer.

Quando vi essa imagem do Gustave foi uma delícia [com direito a piadinha, mas eu não gosto de buceta, ainda mais com esse tanto de cabelo.. arg!]. Piadinha a parte, é deslumbrante perceber as várias formas que podemos olhar as coisas, as pessoas e o mundo.


E, saber que alguém viu na buceta de uma mulher a origem do mundo foi o maior elogio que eu poderia receber em minha vida.


Um brinde ao Gustave Courbet!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Casamento


Ou a gente se casa ou o relacionamento vira uma merda??

Essa pressão pode existir na sua cabeça ou a vontade de fazer essa pressão. Mas ela não deveria existir. Eu ainda acredito que casar pode não ser para sempre, mas ser feliz tem que ser eterno.
Para quê casar se na cabeça há essa idéia fixa de quê "não precisa durar para sempre"...

Tem algumas coisas na vida que a gente começa pensando no dia de terminar, como: um curso, uma tese, um livro, etc. Contudo, ninguém dever começar um relacionamento com data marcada para o fim. E não pensar nesse fim não quer dizer que ele não possa existir, só não precisa ser lembrado, ouvido, discutido, analisado, sistematizado e, por fim, concluído.

O fim tem que ser o fim na hora que for o fim.
Não porque o outro não cedeu a sua vontade de se casar. Ou só porque o outro acha que é hora de você se casarem e você não acredita que precisam disso para continuarem sendo felizes.
Juntar as escovas de dente não é um processo tão dramático, mas também não é simples como atravessar a rua. Bom mesmo é não ter medidas. Não ter que se adaptar ao tempo do outro, sem ter tempo de pensar no seu tempo.

Se um homem não quer casar depois de 6 anos de namoro, coitado! Sofre todo tipo de acusação, safado, cachorro, sem vergonha, quer ficar na gandaia, é imaturo demais para assumir um compromisso tão sério quanto esse.
Se uma mulher não quer casar depois de 6 anos de namoro. Coitadinha! Provavelmente ele não presta, deve fazê-la mal, ela tem medo de se envolver com um cara sacana desses.

O homem se estrumbica sempre!
Meninas... acreditem, se você não quer casar ou ele não quer casar, não quer dizer que não há maturidade, vontade de ficar junto, tesão, amor e etc. Ficar na safadeza é coisa ótima e namorar também. E as duas coisas devem estar juntas, sempre.


E isso tudo é para dizer: eu só vou querer me casar o dia que eu me sentir tão quente e confortável no braços de alguém que me faça sentir vontade de voltar ali todas as noites.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Poetisa



Florbela Espanca, portuguesa, sargitariana, 36 anos tumultuados e vividos.

Quando comecei a ouvir - sim, ouvir, pois minha mente lê os poemas dela para mim - os poemas de Florbela me apaixonei. Intensifiquei minha existência ouvindo cada letra escrita no agora atemporal de Florbela.

Ser poeta, disse ela:

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!



É estar longe de um tempo, de um espaço, é um não haver fronteira, contenção. É tudo que se permite fazer brotar do coração, sem pudores, rancores ou algum sentimento que já tem rótulo. Poesia é algo novo que chega e faz um rombo na mente e na vida. Ganhar um poema de presente é ganhar parte da alma do outro. Há de se cuidar desse pedacinho de alma.

Florbela é ardência:

Lágrimas ocultas

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era q'rida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...

E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das Primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

Falar de Florbela não me causa tristeza. Falar de Florbela causa em mim um contentamento de saber que não sou tão só, que no mundo há com quem se conversar. Que há com quem falar sobre amenidades e sobre intensidades. Há sempre de termos com quem se identificar, um novo sorriso a se conhecer, um novo olhar que nem em sonhos imaginou-se acessar. Há de ter novidade na vida e vontade de viver anos tumultuados, permitindo sempre que esse sentimento que não se pode expressar se expresse. Há de se trocar fluidos.

Estou em um estado de espírito sublime.

;)

domingo, 15 de novembro de 2009

As Forças do Mal


Não sei o que fazer para me libertar das forças do mal. MuhauahauhaMauahuaha...
Bebi demaaaaaaaaaaaaaaaaais ontem. Acho que exorcizei todos os demônios. Para falar verdade vomitei-os.
Ontem me lembrei do Cazuza, pois estive rezando no banheiro. HauAHauHAuaHaua.. rezei boa parte da noite. Até que os joelhos se cansaram e eu sentei. O banheiro era limpinho. Por isso que beber todas em chacrinha é tão mais saudável.
Eu dormi como uma pedra. E sonhei com uma pessoa, o Piteco. E foi estranho sonhar com essa pessoa. Owww jesuis... Sub-consciência é phoda.
Mas vou estar jurando que não vou estar bebendo por pelo menos 15 dias. No entanto, se puder rolar um sexo com guaraná, não estarei dispensando. How How How...
Salve, salve a Rê Bordosa. Ipi Ipi.. Urra!
Ploft... morri!

sábado, 14 de novembro de 2009

As Fotografias.


O que fazer com as fotos? Aquelas fotos tão lindas, que retratam um momento tão gostoso e feliz.
Tenho uma pasta cheia delas no meu computador. E aqueles que eu imprimi para usar no porta-retrato?
Já faz tempo que eu estava pensando sobre isso. Já tomei minha decisão ontem e a apliquei. Sobrou pouca coisa, só as mais significativas. Só pra não esquecer que momentos bons existiram.
Mas é uma coisa tão estranha. Um apego estranho e uma vontade grande de se livrar de qualquer recordação. Vivendo, bebendo e aprendendo.
=p
E hoje é dia de chacrinha! Iupi...

Mais nada!

Hoje eu só tenho uma coisa a dizer:

CA RA LHO! Que perfume mais filho da puta...


pronto, falei!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Noite Longa.

"Bailam corujas e pirilampos..."


Ontem eu fiquei muito tempo na noite. Com a janela aberta pensando em uma melodia sentimental que não me deixava dormir. Inquietude, foi isso que minha noite representou. Até onde consegui, vi televisão. Depois ela ficou lá, ligada, só para clarear um pouquinho o quarto. Um coração tristinho. Até me lembrei de uma frase da época da escola: "É impossível tirar da cabeça quem não sai do coração". Mas estou em mudança. No entanto, tem dias que são longooos como ontem e as noites ficam mais longas ainda.


Sobretudo, chega uma hora que você tem que tentar dormir. Desliguei a tv e me acomodei. De repente, um clarão no quarto. Pensei: "F U D E U!" O coração começou a sair do ritmo, os olhos queriam checar, mas não tinham coragem. E brilhou de novo. Não tive outra alternativa, olhei. E até pensei: "Se eu tivesse bebido hoje eu ia achar que eu estava doida demais." Demorei para entender que era um vagalume - poderia ser uma fadinha. Fazia muito tempo que eu não via um vagalume.



Ele saiu voando e piscando, pousou perto do botão de stand by do som e ficou lá piscando.

Levantei e acendi a luz para vê-lo. Peguei o copo, coloquei-o dentro, sobre o copo um livro de antropologia que estava por ali. Abri a janela e soltei-o no mundo. Tive medo de deixá-lo no meu quarto, pois na minha lâmpada vive minha querida Charlote [uma aranha faminta] e eu não queria ver um pirilampo virar comida.


Então vi a luz do vagalume ir sumindo no meio da noite. Acho que ele me trouxe um pouco de calma. Pois dormi.
Por ter sentido a energia do bicho fui olhar a representação dele no xamanismo. Olha o que se diz sobre a presença de espírito desse inseto.
...
Libélula ou Vagalume (Medicinas Xamânicas/Medicina dos Animais):
Iluminação e ventos da mudança.
Evocar para amadurecer as idéias, clareza mental, autocontrole. Para tornar a vida mais leve, novas perspectivas, mudanças. Conexão com espíritos da natureza, enxergar através da ilusão, ir buscar a nossa própria luz, enxergar as maravilhas da vida. [fonte pesquisa]
...
Adorooooo libélulas também. Cresci chamando-as de lavadeiras, foi esse nome que minha mãe me disse que aquele inseto tinha. Isso porque se você encontrar alguma libélula nas margens de um rio verá que elas ficam o tempo todo tocando a água.
E sobre a evocação, eu diria que foi imediata... faz realmente parte do que estou vivendo.


Bem, foi uma noite intensa.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Personagens femininas nas tirinhas.



Eu gosto de tirinhas, as minhas preferidas são as da Malfada - Quino. O humor e as sacadas de uma menina que detesta sopa. A Mafalda tem um espírito crítico e contestador. E isso já basta para eu me apegar muito a ela, ao ponto até de pensar em colocar esse nome em uma filha, se a tiver, é claro. Mas eu garantooo que a minha Mafalda iria gostar de sopa. HiHiHiHi...

Outra que eu sou fã é a Maria Joaninha Cascudo da Clara Gomes - Bichinhos de Jardim. Como a própria autora a descreve, a Joaninha é "realista, pé-no-chão e rigorosa". E um pouquinho de humor ácido não faz mal a ninguém.




Agora, estou começando a me apaixonar pela Rê Bordosa, a Mulher Esponja do Angeli.
O Angeli criou a Rê em 1984 e assassinou a diva em 1987. Uma pena, porque eu queria dar um abraço nela. Muito louca. A Rê fode com qualquer coisa, fuma qualquer coisa, bebe para caralho... muitos homens não gostam de mulheres assim e foi por se sentir tão incomodado que o Angeli a matou. Tem uma entrevista dele confessando o crime: Entrevista com o Angeli.



E para fazer um levantamento sobre a morte dessa diva foi criado o curta em stop motion Dossiê Rê Bordosa que apresenta ao público a realidade acima dos fatos.. HiHiHi. O curta é ótimo... e além de tudo eu amoooo animação em stop motion.
Dê uma olhada:

Um brinde a Rê Bordosa... Iupi.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Sonhei com sexo.




Sonhei com sexo essa noite. Não que isso seja novidade para mim e acredito que não é novidade para ninguém.
Há vezes que sonhar com sexo é melhor do que fazê-lo. Quando sonho com sexo não tenho que ouvir coisas em momentos inapropriados, não tenho que "franelar" - vide: ter que orientar para que lado o parceiro tem que ir - a trepada. É tanta sintonia, tanta gostosura que a gente acorda feliz feliz...
Mulheres, muitas vezes, têm receio de falar que pensam, querem, sentem falta, buscam sexo. Se o assunto é masturbação feminina, nossa, quanta hipocrisia. Conheço um bom número que juram nunca terem se tocado.
Ah! Vá catar coquinho, meninas.
Se tocar é a coisa mais deliciosa que podemos fazer com nós mesmas. Esse papo de ficar cuidando da sua imagem achando que um cara vai fuder gostoso com você só porque você é linda já está moribundo. Foda boa mesmo é quando você conhece seu corpo e os lugares onde você sente prazer, aí na hora que estiver rolando você só vai se preocupar em explorar o corpo dele, em tocá-lo, usar e abusar da junção dos seus corpos.
Sexo é para ser o momento mais livre do seu dia. E que haja sexo todos os dias. HiHiHi...
Tem que haver respeito pelos corpos, pelos desejos e uma troca deliciosa de sensações e arrepios. Há de ter um olhar atento, um sabor, um cheiro, uma temperatura, para que tudo conspire a favor do gozo.
Sexo é um ato que envolve dois. Largados no mundo, um sobre o outro, outro sob um, com mãos que possuem o corpo alheio e fazem gelar a espinha. Mãos, pernas, braços, pescoços... duas bocas, dois sexos em encontros e desencontros que não cessam.
Caralho, sexo é bom demais. =p

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Sua Honra...


"I said I don't kiss losers and I don't kiss winners".
[Your Honor - Regina Spektor]
Honra: Sentimento de dignidade própria que leva o homem a procurar merecer e manter a consideração pública.
Não quero mais homens com honra na minha vida. Eles chamam atenção demais para manter essa tal consideração pública e expõem o casal de uma maneira tão ridícula.
Eu quero apenas um homem que em uma mesa de bar, entre amigos, saiba gargalhar.
Que ele não venha com um interrogatório se eu tiver alguma atitude que ele considera que irá manchar a sua honra [É por isso que não a quero, ela mancha.. afff].
E se essa honra tiver que existir mesmo, que eu nunca seja parte dela. Ou seja, que ele resolva-se com a honra dele para lá.
Não quero viver para honrar alguém. E não quero que vivam para honrar a mim.
Quero um vai-e-vem de sentimentos gostosinhos, borboletas que transitam de uma barriga para outra através de cada beijo.
Quero um vai-e-vem de sentimentos ardentes no silêncio de nós dois. E se no ato, rolar uma piadinha, que venha...
Preciso de liberdade de olhar nos olhos. De pedir abraço e colo, por saber que vou receber de fato.
Ah! Em devaneios, aqui vou pensando em tanta coisa que quero.
Mas, de fato, o que não quero é alguém com honra, sangue nos olhos e coração extremamente partido.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Ah, tá! Parei...


Os finais de semanas são como um passeio de montanha russa. Eu poderia dizer que em 20 dias de solterice eu revi todas as pessoas significativas de minha vida. Vivendo hoje. E numa safadeza... Sem sexo, mas na safadeza. HiHiHiHi...
Dei todos os abraços. Ouvi coisas agradáveis. Palavras de estima, de carinho.
Tão bom...
Contudo, montanha russa embrulha demais o estômago.
Estou com o estômago embrulhado até agora, ele não se desembrulha, quando eu penso que vai desembrulhar vem outro passeio de montanha russa. E eu fico aqui, toda embrulhada.
Rindo sozinha das coisas que ouvi, rindo sozinha do que fiz, rindo sozinha... Não há nada tão bom como rir sozinha. E mais uma vez, quando os motivos para rir sozinha vão se acabando, lá vem, lá vem, lá vem de novo..
E para falar para vocês, amiôgas.. Acho que vou tentar parar um pouquinho de andar na montanha russa e ficar só na roda gigante mesmo. Caralho, montanha russa embrulha o estômago demais.
HiHiHiHi...

sábado, 7 de novembro de 2009

Um brinde a liberdade.

Hoje eu só quero dizer esse poema e brindar mais uma vez, mais milhões de vezes, a liberdade do meu sorriso.





Poema

Composição: Cazuza / Frejat

Eu hoje tive um pesadelo e levantei atento, a tempo
Eu acordei com medo e procurei no escuro
Alguém com seu carinho e lembrei de um tempo
Porque o passado me traz uma lembrança
Do tempo que eu era criança
E o medo era motivo de choro
Desculpa pra um abraço ou um consolo
Hoje eu acordei com medo mas não chorei
Nem reclamei abrigo
Do escuro eu via um infinito sem presente
Passado ou futuro
Senti um abraço forte, já não era medo
Era uma coisa sua que ficou em mim, que não tem fim
De repente a gente vê que perdeu
Ou está perdendo alguma coisa
Morna e ingênua
Que vai ficando no caminho
Que é escuro e frio mas também bonito
Porque é iluminado
Pela beleza do que aconteceu
Há minutos atrás

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Sexto Sentido.


Eu tenho que admitir que eu tenho esse tal sexto sentido, só que tenho medo dele. E em alguns momentos, como ontem, raiva. Quando eu tenho uma ligação muito forte com alguém é corriqueiro eu sentir "algo's" inexplicáveis. Mas normalmente não conto para ninguém o que eu senti, só que logo vem a notícia de um risco que a pessoa correu, uma tristeza e tal.

A última vez que eu não consegui dormir - antes da noite de ontem - me deu uma angústia, uma aflição e eu só lembrava da minha irmã. Fiquei pedindo ao anjo da guarda para cuidar dela, acordava a noite toda assustada [como foi ontem] e rezava mais. No outro dia, ela [que é bombeiro] contou que correu um risco danado em uma ocorrência e que um colega dela se machucou muito. Aí quando se confirma assim, com mais medo eu fico desse tal sexto sentido.

Ontem eu fiquei assim o dia todo, angustiada, não consegui dormir direito, acordando e lembrando dele, o ex-ele, sentindo que está acontecendo alguma coisa. Antes, quando isso acontecia, eu - ontem mesmo - teria ido a casa dele ou ligado. Tentando ficar por perto, como se minha presença pudesse impedir que ele ficasse triste. Mas nunca impedia, as tristezas sempre chegavam e, muitas vezes, senti que minha presença não alterava nada.

Agora, nessa situação, não sei o que fazer. Se rezo para ele, como rezo? Ou se rezo para mim, pedindo ao meu anjinho porreta para desvincular o meu sexto sentido dessa pessoa, pois ela não fará mais parte da minha vida. E é muito mais angustiante ficar angustiada por uma pessoa que você não pode saber como ela está ou tentar ajudar.

Não estou me sentindo nada confortável hoje pela manhã.
=/

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Parábola do esmalte vermelho.


Acordei e fui tirar o esmalte vermelho das minhas unhas. Quando tirei o esmalte da primeira unha lá veio a frustração. A unha ficou manchada. Isso porque eu nunca confio na minha intuição.
Droga!
Quando a manicure arrancou aquele esmalte de dentro da bolsa - de uma marca que eu não conheço - eu pensei: "Eu poderia ter trazido o meu. Vou perguntar se não tem outro vermelho de uma marca conhecida. ... Ah! Não vou não, besteira minha". E está aí o resultado: unhas manchadas por não acreditar na minha intuição.
Agora só me resta pintar as unhas, para esconder o estrago.
...
Quantas vezes eu já não me lasquei por não acreditar na minha intuição. Quantas vezes eu já olhei e pensei: "isso vai dar merda no final" e faço do mesmo jeito. Tive inúmeras vezes intuições acerca do findado relacionamento. Não as segui. Só para registrar, tive um sonho maluco, inconsciente é phoda, sonhei que o ex-ele tentava me beijar a força e eu louca querendo, mas não deixava. É assim... ai ai!
Agora vou tentar confiar mais em minhas intuições. Até mesmo quando se tratar de um simples esmalte vermelho.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Meu amigo Homem.



Ele: Oi minha lindinha, como você está? Estou morrendo de saudades de você! Não vejo a hora de poder lhe ver e lhe abraçar bem apertado.

Ela: Oi querido. Eu estou bem, trabalhando muito e tal. Também tenho saudades, quando você vem me ver, meu amigo?


Raramente vejo a situação com papéis trocados. Com homens enfatizando que se é amigo. Dizendo "... do seu amigo" ou "Oi minha amiga". Sempre é muito intenso, muito envolvente, muito blá-blá-blá do homem. E cabe a mulher mais uma vez dizer: "- Stop. We are friends." Onde quero chegar com essa idéia?

Bem, será que os homens acreditam mesmo em apenas amizade entre homem e mulher, que flua naturalmente, sem precisar alguém lembrar o tempo todo "Não haverá sexo, tudo bem?". Será que os homens realmente se aproximam de mulheres apenas para procurar por amizade?

Até aqui estamos pensando em um casal de amigos solteiros e heterossexuais. Com possibilidades sempre a vista.


E se algum deles tem namorada [o]? [Pensando heterossexualmente também]

Se existe um namorado na vida da mulher, esqueça queridinho, sua amiga vai cada vez mais se distanciar, isso porque homem não tem pudor em dizer para a namorada "não quero saber de você com aquele fulano, tenho certeza que o que ele quer mesmo é comer você" [Talvez ela tema isso também]. Ou seja, ele não acredita em amizade sincera entre homem e mulher. Mas talvez ele tenha as amigas dele e a mulher não pode se manifestar, até porque qualquer manifestação de ciúmes feminino é vista como barraco, frescura e blá blá blá. E se ela não quiser ser vista através desses adjetivos ela se manterá firme e tentará conviver com a amiga, se mordendo e lembrando que o tal namorado não acredita em amizade entre homem e mulher [isso quando se trata de você].

Agora, se existe namorada na vida do homem, não precisa esquecer queridinha, ele vai continuar sendo seu amigo. Isso só não acontecerá se a namorada dele for dominadora e/ou capaz de convencê-lo que não acredita em amizade entre homem e mulher e que aquela amizade fará mal ao relacionamento. Mas se não, ele vai continuar a amizade do mesmo jeito, com os mesmo abraços, sorrisinhos e beijos bem fortes e será ela, caso não queira confusão, que terá o tempo todo que dizer "somos amigos", "amigos de longa data" e etc.


Tudo isso me faz pensar que quem tem o instinto de caçar o parceiro no grupo dos humanos é a fêmea. Imagine uma mulher manifestando tudo que ela sente quando vê a tal amiga se aproximando do seu macho com sorrisos, beijinhos e abraços. No mínimo uma sairia morta. Acredito que, em algum momento no tempo, os homens conseguiram convencer as mulheres a se conterem e fizeram uma aparente troca de papéis. E até hoje eles buscam nos convencer que devemos ficar contidas, bem comportada e dentro das cavernas. Mas tudo isso foi apenas estratégia deles para conseguirem viver melhor. A mulher já tinha o domínio da geração, ela é mãe, de fato; agora se o homem é pai, quem sabe.
Vai saber quem foi o homem que teve essa idéia de inverter a situação:


Talvez a idéia surgiu porque deveria doer para caralho. HiHiHiHi..
No fim, sei que estamos reinventando novamente esses papéis, mas ainda não saiu totalmente de nossas cabeças a idéia de que ainda temos que nos conter em certas ocasiões. Phoda-se as contenções. Eu quero mesmo é viver sem ter que me conter demais.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Ouça.



"O passado não foi o bastante
Pra lhe convencer
Que o futuro seria bem grande
Só eu e você!" [Maysa]

Meu final de semana foi meio quase perto de vontades típicas de Maysa.

E o que quer dizer isso? Quer dizer que tive quase vontade de fazer arruaça, de fazer escândalo, de subir na mesa, de ficar nua em público, de recitar um poema e depois arrastar um garotinho qualquer para a cama.

Tive quase vontade de chorar por amor. De tomar Uisque. De gritar o nome dele, de ligar, chorar, pedir consolo e me arrebentar por dentro. Tive quase vontade de ficar louca, fazer uma maquiagem fixa que evidenciasse um olhar absoluto. Tive quase vontade de cantar lindamente, bêbada e descompensada. De cortar os pulsos superficialmente para chamar atenção.

Mas tudo isso foi quase vontades. Pois não gosto de vontades repetidas, releituras de vontades alheias, não gosto de repetir cenas e nem de programa outras aparentemente novas. Mais do mesmo em nova roupagem.

Na verdade o que eu queria era apenas uma resposta para uma pergunta que ainda não saiu da minha cabeça, mas que sei que nunca terei, pois não perguntarei.

Só espero que logo essa pergunta se evapore.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Confesso.



Confesso que esse final de semana eu extrapolei.

Eu vi "Mama mia".
Depois eu dancei 'dancing queen'.
Eu comi um caldo de camarão com muuuuuuita pimenta.
E acabei tendo que beber cerveja no gargalo.

Eu dancei o 'rebolation'. E fiquei bastante suada.
Eu me diverti.

Eu ri rodeada de pessoas queridas.
Eu fiquei até 5:30 am conversando e depois dormi na mesma cama com uma amiga.
Eu liguei para uma amiga de madrugada e nós duas estávamos meio bêbadas.

Vi minha amiga vomitar a vodka que ela bebeu.
Fiz xixi no quintal.
Eu acordei e continuei conversando muito com a amiga com quem dormi.

Eu abracei.
Bebi cerveja.
Bebi vodka.

Tomei banho com água da chuva [pq faltou água no meu bairro].
E meu cabelo ficou ótimo.
Vi a neblina da noite invadir a escuridão.
Eu comi o melhor arroz doce da minha vida.

Eu ri muito com uma menina de 17 anos.

Eu matei saudades, saudades de mim. E senti saudades...
Mas confesso, profundamente, que estive feliz por me divertir.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Oh! Chuva...


CA-RA-LHO!
Eu adoro dormir com chuva. Quarto escuro, friozinho, pés gelados lutando para se aquecer, barulhinho de chuva lá fora e é só os pés se aquecerem que o morpheus chega e me leva, sem dar oportunidade de dar boa noite.
No entanto, não estou conseguindo dormir... Acabei de acordar. E só acordei porque antes de dormir ontem ativei o despertador para 11:30 am. E ainda fiquei de um lado para o outro relutando para levantar.
Essas noites não estão sendo tão agradáveis, voltar a ter insonia não é agradável. Fiquei ouvindo a chuva e pedindo a ela que me desse tranquilidade para eu dormir. Pois bem, agora eu converso com a chuva. Eu nunca havia conversado com a chuva. É interessante, porque há som e você pode sentir que ela lhe responde algo.

Ela responde para mim,
ela está dentro de mim,
tenho uma tempestade nos olhos.

Sinto frio de dentro para fora,
estou congelando.
E é uma chuva daquelas.

Com nuvens carregadas,
brisa suave,
granizo.
Trovões, raios e relâmpagos.

Ela está a todo momento lá fora... Mas está aqui dentro, cuidando de mim.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Um Silêncio Sombrio.


Ontem foi difícil para dormir...
Aconteceu um vazio na cabeça, um sentimento de ausência, um furacão no meio do nada, um grito sem som.

Uma tristeza que já não tem lágrimas. E a melodia que vem a cabeça é de Vento no Litoral... é uma paz melancolica. Chorona. Uma paz que pertuba até o mais calmo ser.
Não sei o que fazer com essa paz. Me acostumei com um zumbido aterrorizador na minha cabeça. Acostumei-me a não dormir por haver muito barulho. Acostumei-me a ter lágrimas para chorar.
Acho que agora vem a mudança, a troca... o deslocamento. E já está doendo... E pelo visto ainda tem muito o que doer.
Sentindo falta de um abraço que já não existe mais. Que só ela poderia me dar hoje e seria muito intenso, mesmo ela não sabendo que eu necessitava muito daquele abraço.
Até.. logo eu volto.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Poderosa!



Já faz tempo que eu adooooooooooooooooooro pin-up's. São lindíssimas, inspiradoras... poderosas.


Hoje de madrugada vendo o Jornal vi - mais um vez, pois já tinha a visto no Jô - a Dita Von Teese. Caralho... Fantástica. Aquilo sim é saber ser bonita, ela SABE ser bonita. Não é esse padrãozinho de mulher gostosa, é bonita porque sabe ser. Ou seja, ela pensa para ser bonita. Eu até pegava. HauaHauAHuahAUa....


Até então eu só tinha visto fotos dela e já achava linda. Agora que eu vi o seu portar. Uma Diva. Papai do céu dai-me inteligência para ser linda daquele jeito.


Agora olha:



Ah! Eu quero um espartilho.
;)

Com direito a letra de pagode?? Nããããão...


Caralho, que ódio!
Olha eu vendo televisão e começa um pagode. Fiquei ouvindo, pois a desgraça do controle remoto não queria trocar e o vício em controle remoto fez com que eu [e mais milhões de pessoas] perdessem a prática de se levantar e ir até a TV trocar o canal.
Aí o cara cantava assim [lógico que eu busquei na internet, pq eu só lembrava um pedaço]:

"Então fica combinado assim,
É coisa minha, nada com você
O nosso amor foi tão legal pra mim,
não fica triste, tenta me entender
Então fica combinado assim,
Talvez um dia volte a acontecer,
Mas hoje tô pensando mais em mim,
Mas não se esqueça, e isso pode crer
Eu só te quero bem, tão bem."

Bem típico de letra de pagode terminar o namoro bancando o educadinho. Puta que Pariu a Pata... odeio pessoas educadinhas. Se é educadinho demais é porque tem malandragem no meio. Não que eu não tenha maladragem - até porque eu nem sou uma garotinha mais - mas rompimentos não devem ser educadinhos, devem ser drásticos e reais, para ser mais fácil de se entender toda a coisa.
Podia ser pelo menos uma letra de samba de raiz... Uma coisa mais alegre, do tipo "deixa isso para lá... e vá viver sua vida".
Tipo isso aí ó:
Afinal, eu sou neguinha e meu samba é de raiz.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Assim Disse: Bricolê.




Vida a dois: É possível mudar o outro?


É possível mudar o nosso parceiro em um relacionamento?
Gente!!! É muito sério o que tenho para dizer. Por favor, peguem uma folha de papel em branco, canetinhas coloridas de todas as cores, purpurina, tintas... e escrevam bem grande no centro da folha, com direito a gliter e luzes coloridas:
* NINGUÉM MUDA NINGUÉM*
Escreveu?
Agora pendure a folha em um lugar bem visível e leia essa frase ao menos 100 vezes todos os dias, antes de dormir e ao despertar! Acreditem, é incrível o número de pessoas que ainda desconsideram essa verdade.
Entram em relacionamentos e se enganam, fingindo que certas características do parceiro estão lá quase por acaso, mas que com certeza essas coisas mudarão quando a fada boa do amor cantar sua canção de ninar para o casal apaixonado. Quase como se o amor fosse uma espécie de borracha gigante com a qual pudéssemos apagar do outro as imperfeições que tanto nos incomodam.Repito... isso não vai acontecer! Amor não é borracha!
Um dos maiores problemas que vejo nos relacionamentos atualmente está no fato de que as pessoas ficam tão desesperadas para encontrar um parceiro que basta alguém as escolher para que se sintam imediatamente gratas por serem salvas desse horrendo destino: solidão. Com isso, nunca escolhem. Basta que sejam escolhidas. Se um sapo as escolhe, vira príncipe na hora!
E se forem escolhidas por alguém que tenha valores muito diferentes dos seus, por exemplo, as pessoas resolvem essa “pequena dificuldade” negando essas diferenças e dizendo a si mesmas que com o tempo isso irá mudar e, magicamente, os dois se tornarão parecidos, quase iguais.BESTEIRA! O tempo vai passando e isso não acontece. O outro não muda! E aquelas diferenças começam a incomodar. E em breve os dois estão desesperadamente tentando mudar um ao outro, como se essa fosse a saída para que a relação pudesse funcionar. Em geral nesse processo alguém se torna o cobrador e o outro se torna o que é cobrado e sufocado. Ambos vivenciam a frustração e a dor ao se deparar com a dura verdade: o outro simplesmente não vai mudar. O outro não vai dar mais do que pode só porque você quer.O outro não vai aceitar menos do que acredita merecer só porque você quer!
Tente perceber... é muito importante que você perceba isso:
Se, lá no começo de tudo, você tiver calma, se der a si mesmo tempo para conhecer melhor a pessoa que chegou à sua vida, se conseguir escapar dessa loucura coletiva que o leva a aceitar a primeira pessoa que aparecer... se puder fazer isso, talvez possa dar a si mesmo a chance de conhecer o outro melhor antes de fazer uma escolha. E ao fazer isso, talvez possa escolher melhor.
Imagine que você seja uma pessoa doce e carinhosa e decida ter um bichinho de estimação. Você fica tão ansioso para comprar o bichinho que acaba comprando o primeiro que encontrou... um lindo peixe dourado em um aquário redondo. Você leva o aquário para casa todo feliz e o coloca em um lugar de destaque na sua sala. Mas aí a noite chega e você começa a se sentir só... e percebe que sente falta de toque. Pega o peixe dourado e ... o coloca no colo... Ops! E agora?
Peixes não são muito de abraçar. Para falar a verdade eles parecem morrer quando os tiramos de seu mundinho particular... entenda... não adianta querer colocar no colo um peixinho dourado! Não vai funcionar!
Se era tão importante para você afagar um bichinho... por que comprou logo um... peixe????
Devia ter comprado um cachorro... um coelho... talvez um gato (se bem que a maioria dos gatos não são muito de afagos). Mas... um peixe????
Com isso quero deixar clara a importância da escolha, de uma escolha consciente.Agora, se você já comprou o peixe... NÃO ADIANTA QUERER QUE ELE VIRE UM CACHORRO, entende? Ele não irá NUNCA latir ou se deitar no seu colo. Ou você aceita o peixe como é ou aceita que fez uma besteira, escolheu errado. Nesse caso, deixe que o peixe se vá e corra a um pet shop em busca do cachorrinho mais fofo e peludo que encontrar!Loucura, no meu ver, é o que vejo em muitos relacionamentos. Gente brigando anos para transformar peixe em cachorro, tartaruga em águia, elefante em gazela... gente perdendo um tempo precioso que não volta mais, tentando encontrar culpados onde não há culpa alguma.
A culpa não é do outro! Um peixe tem todo o direito de ser peixe, afinal! Nós é que precisamos ter mais clareza do que buscamos, aprender a ter mais calma e consciência em nossas escolhas e parar de agir desesperadamente por medo dessa tal solidão.


[Patricia Gebrim]



Concordo plenamente. Agora é tentar vivenciar isso...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Fazer contas é phoda!


O problema é começar a fazer contas... Nesse momento parece que o saldo é sempre negativo.
Dormiu-se mal, comeu-se mal, sorriu-se muito mal...
E a pior das contas é aquela em que você começa a contabilizar o que lhe causou culpa, sentimentos de culpa que não existiam em você e pareciam que nunca iriam existir. Mas agora com a mente começando a se limpar você percebe que eles estão lá. Poxa, quanta culpa você carregava e em nome da culpa carregou muitas outras coisas. E vivenciou outras coisas que lhe trouxe mais culpa.
Relacionar-se é mesmo um pecado quando não se sabe descartar culpas. Silêncio muitas vezes é o grande sintoma da culpa. Então começamos a nos silenciar cada vez mais, começam a acontecer monólogos e monólogos só são efetivamente bons quando temos a intenção de conversarmos realmente apenas com nossa consciência. Assistir outras pessoas conversarem com suas consciências é aterrorizador.
Fazer contas nesse momento é a pior coisa que se pode fazer. Mas é inevitável.
Droga!

domingo, 25 de outubro de 2009

Metáforas sempre explicam.




Quando você está por aí na vida - procurando viver - muita coisa pode acontecer. Algo que pode acontecer é alguém esbarrar em você. Imagine você com um saco cheio de bolinhas de gude nas mãos, caminhando por uma rua e no percurso alguém dá um trombada em você, daquelas que lhe faz perder o equilíbrio e o saco voar de suas mãos, espalhando todas as bolinhas pela rua.

Você fica lá meio zonza, olhando para as bolinhas no chão, sem saber por onde começar a catá-las e preocupada, pois cada uma delas é importante para você. Mas com aquele incidente alguma pode ter se perdido.

A pessoa que esbarrou em você continua seu caminho e nem olha para trás. Com lágrima nos olhos você se abaixa e começa a recolher cada uma delas, verificando se ainda estão inteiras. Alguma lascaram, outras se partiram e outras se perderam... E você ali, recolhendo-as mesmo assim, até que outra pessoa que não tem nada com aquilo se abaixa e começa a catar cada bolinha - ou o que sobrou dela - com você.


Agora vamos a metáfora: Cada bolinha daquela representa vivências suas, preciosidades de sua vida, que estavam - aparentemente - sobre o controle de suas mãos. Pessoas trombam com a gente sempre... Transformam nossas vivências, as quebram, as fazem se perder e passam. Mas surgem novas pessoas, dispostas a recuperar vivências preciosas que foram rompidas por causa daquele esbarrão e lhe acrescentar outras vivências novas.


Vou ficar aqui vivendo e tentando não me surpreender com novos esbarrões.

E agradecendo a cada amigo [a] por me ajudar a recolher as bolinhas de gude. Obrigada!

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Paciente Terminal.




Sabe quando um parente que você ama muito está em estágio terminal na UTI? Aí vc vai vê-lo e quer mto que um milagre aconteça e ele volte para casa saudável - friso de novo: saudável - mas ele ainda está lá, morrendo e sofrendo com dores enormes, tomando doses e mais doses de morfina e você de cá amando e desejando que tudo fique bem. Aí mesmo que você já esperasse a morte - como também esperava o milagre - ele morre e você se desespera, enlouquece, entra para o quarto e esmurra a parede. Mas no fim de toda cena vc começa a sentir uma paz, um quê de alivio e a acreditar que foi melhor assim. Se conforma, pois havia mto sofrimento e ninguém merece viver sofrendo assim.

Acontece então que você se divide entre uma dor inexplicável [como um luto de alguém que se ama muito] e uma paz maravilhosa de sentir [por se ter acabado com o sofrimento]. Mas ainda tem uma coisinha lá dentro que diz: "Puta merda, poderia ter acontecido um milagre".



É assim que me sinto. O namoro estava doente, muito doente, um paciente terminal e, ao menos que ocorra um milagre, pacientes terminais morrem. Mesmo que você não queria soltar as mãos.


=/

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Cinderela é o caralho!



Quando tomei consciência de que se envolver amorosamente era um misto de alegria e tristeza e que ser feliz para sempre não poderia depender de um ideal em relação a isso comecei a acreditar que eu só viveria relações casuais e que quando eu encontrasse alguém para viver junto de verdade que seria algo tranquilo, sem precisar de muitas explicações, sem muito ter que entender um sobre o outro, que fluiria, sem pressa e com amor.

Mas a filha da puta da Cinderela tinha que ter uma fada madrinha que faria tudo dar certo ao seu bel-prazer e em um piscar de olhos tudo estava lindo e feliz. Eu pensava até ontem que a vontade de viver uma vida a la Cinderela povoava apenas as cabeças femininas. Oh! Ilusão... convenceram os meninos de que toda e qualquer mulher que eles se relacionassem teriam dentro de si uma Gata Borralheira e que a qualquer momento ela aparecia com um lindo vestido, cabelos arrumados pronta para viver feliz para sempre. Contudo, se ele não quer viver um conto de fadas - mas mesmo assim acredita que toda mulher é meio Cinderela - começa a lembrar a mulher a toda momento que ele não é um principe encantado.

Puta que Pariu... eu não sou a Cinderela. Sou depravada... desbocada... e não tenho vocação para ser amiga de ratinhos.

Se eu tiver só afim de sexo... estarei!

Se eu tiver só afim de fuder?? Queria que você não ficasse chocado, nobre rapaz que não quer ser principe encantado.

E no fim eu vou ser feliz para sempre... com ou sem amor, mas com sexo sempre que possível.

=p